quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

A morte de um gênio da música brasileira

Ari Barroso


Em fins de janeiro de 1964, Ari teve de ser removido urgentemente para o Instituto Cirúrgico Gabriel de Lucena, em estado gravíssimo. Nos dias que lá permaneceu, quase não reconhecia as pessoas da família, apresentando poucos instantes de lucidez. Nestes momentos, cantarolava O sole mio. Mariúza aproveitava para cantar músicas do pai, mas ele não reagia. Então, cantava O sole mio forçando uma desafinação. Ari reclamava imediatamente. As visitas estavam proibidas, mas Luís Peixoto achou que deveria, assim mesmo, ir até lá. No caminho, comprou um sapato que só foi experimentar no táxi. Coube direitinho no pé. Deu o sapato velho ao motorista e, no Instituto Cirúrgico, percorreu o corredor com muito cuidado, para que suas pisadas com o sapato novo não incomodassem os doentes. Recebido por Ivone (esposa de Ari) que já não tinha esperança de ver o marido recuperado, foi informado, mais uma vez, de que as visitas estavam proibidas, mas a própria Ivone considerou a proibição desnecessária, tratando-se de um amigo tão antigo e tão querido. Luís entrou no quarto na ponta dos pés, mas, apesar da sua preocupação, o sapato rangia. Ari estava deitado de lado, de costas para a porta. Luís Peixoto aproximou-se, olhou para o rosto do doente, fez um rápido afago nos seus cabelos e retirou-se, com muito cuidado. Antes de chegar à porta, observou que Ari se mexia. Ele parou. Ari virou-se de frente para ele, apertou os olhos, tentando reconhecê-lo, trocaram olhares e o visitante foi contemplado com a manifestação de um legítimo Ari Barroso:

− Assim não é possível, seu Luís! Como é que você visita um moribundo com um sapato desses?

Às 21h50min de 9 de fevereiro de 1964, dia em que Carmen Miranda estaria completando 55 anos de idade, Ari Barroso morreu. “Foi um homem de sorte até na morte, pois dizem que cirrose provoca dores tremendas em todo o corpo. Mas ele não sofreu nada. No fim, teve um colapso – e pronto”, relatou Ivone, no livro Ari Barroso, um turbilhão!. Era domingo de carnaval e, na Avenida Presidente Vargas, a multidão assistia ao desfile das escolas de samba. Naquele instante, preparava-se para desfilar a Escola de Samba Império Serrano com um enredo extremamente significativo para o momento: Aquarela Brasileira. Eu (Sérgio Cabral) estava na avenida e sou testemunha da emoção que tomou conta de todos – dos sambistas e do público – quando foi divulgada a notícia da morte de Ari Barroso. O Império Serrano ainda estava desarrumado e sofria a ameaça de ter pontos descontados pelo júri, por atrasar a sua apresentação. O presidente da escola, Moacir Rodrigues, dirigiu-se à comissão julgadora (na época, os jurados não atuavam separados. Ficavam todos no mesmo local) e pediu que perdoassem o atraso: os sambistas, emocionados com a morte do grande compositor, estavam com dificuldades para dar início ao desfile. E havia a incrível coincidência de desfilar com um enredo intitulado Aquarela Brasileira. Os jurados consideraram perfeitamente aceitável a justificativa apresentada por Moacir. O fato é que o Império Serrano fez um dos mais emocionantes desfiles da sua história, para o qual contribuiu, sem dúvida, a música de Silas de Oliveira, uma das obras-primas do samba-enredo.

O corpo de Ari Barroso foi levado para a Igreja de Santa Teresinha. Ao sair do carro, diante da igreja, Flávio Rubens (filho de Ari) foi abordado pelos integrantes de um bloco carnavalesco do Morro da Babilônia, que voltavam para casa, depois da folia.

− O que houve, Flávio? – perguntou um deles.

− Papai morreu. O velório vai ser aqui, na igreja.

Os foliões não só manifestaram a sua dor pela morte do ilustre vizinho como também colocaram-se imediatamente à disposição para preparar o recinto para o velório. Já naquela noite, começaram a chegar os companheiros da música popular, do rádio e da televisão, do Flamengo, gente de toda a cidade, além de carnavalescos fantasiados, que entravam na igreja, depois de pedirem permissão à família. No dia seguinte, às 17h30min, com o caixão coberto pela bandeira do Flamengo, Ari Barroso foi sepultado no Cemitério São João Batista (sepultura 18.877, quadra 1). Naquele momento, o saxofonista Souza Lima pegou o instrumento e executou o mais pungente solo de Aquarela do Brasil que se poderia imaginar.

(Texto do livro “No Tempo de Ari Barroso”, de Sérgio Cabral)

P.S. Resultado do Carnaval de 1964, no Rio de Janeiro:

Campeã:         Portela       - 59,0
Vice-campeã: Salgueiro   - 58,0
3º lugar: Mangueira          - 49,0
4º lugar: Império Serrano - 44,0  


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

As “pegadinhas” de Oddone Greco



No meio da sessão lotada, acendem-se as luzes do Cine Appolo, no início da Avenida Independência, um pouco além dos limites da Rua da Praia. Alguém avisa que uma senhora perdeu uma nota de mil cruzeiros, uma pequena fortuna, na época. A sala vira um rebuliço. Quando todos estão acocorados entre os bancos, as luzes se apagam repentinamente, com o aviso: “A nota foi encontrada”. E o filme recomeça. O episódio chega aos ouvidos do proprietário do cinema, Januário Greco. Ele sacode a cabeça:

− Só pode ser coisa do Oddone – comenta referindo-se ao próprio filho.

Bon Vivant, desprendido e gozador, Oddone Greco é o rei das “pegadinhas”, quando o termo sequer existia. Apronta durante mais de duas décadas, tendo a Rua da Praia como palco principal. Do início ao fim do trote, mantém um semblante circunspecto e imperturbável. Além das vítimas habituais, costuma escolher o alvo da próxima zombaria folheando aleatoriamente o guia telefônico (como na história abaixo).

Clube do Comércio, 2h20 min da madrugada. Oddone sai do clube com alguns amigos:

− Que chuva enjoada... Tu não vens, Oddone?

− Hã, sim... Só preciso dar um telefonema.

− Boa noite, doutor. Desculpe incomodar. É que, com frio, meu cavalo está apresentando sintomas interessantes, e eu gostaria que o senhor viesse ver o que ele tem.

− Está tarde, amanhã terei o maior prazer em atender o seu cavalo.

− É, doutor, mas acho que amanhã de manhã o bicho vai estar liquidado. Ele ficou completamente duro lá no meio da chuva. Está pegando uma cor verde, o senhor não poderia vir agora? Estou bem perto da sua casa.

− Está bem. Qual é o endereço?

− Moro bem no meio da Praça da Alfândega, cercado pelo laguinho de pedra e o meu nome é General Osório... 



segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Histórias de Paraquedistas XXXIII

Palavras, personagens, gírias e expressões
 militares paraquedistas:


Estas palavras, gírias e expressões são de várias gerações de Paraquedistas. Muitas mudaram e foram ultrapassadas, mas para cada grupo que serviu no antigo RSD e em toda a Brigada de Infantaria Paraquedista, elas continuarão sempre atuais. Algumas palavras são para o entendimento de pessoas não que sejam Pqdts, e que, com certeza, lerão este Almanaque.

1º e 2º GTT”: Unidades Aéreas de Transporte de Tropas da FAB, alocadas na Base área dos Afonsos, responsáveis pelo transporte e lançamentos de cargas e transporte de nossos paraquedistas.

2° RI”: Segundo Regimento de Infantaria localizado na Avenida Duque de Caxias, Vila Militar, em que o Núcleo da Divisão Aeroterrestre ficou aquartelado até a construção e entrega definitiva da atual Brigada Infantaria Paraquedista, em 1957.

A gritão”: Soldado Pqdt antigo, que deu baixa, arrependeu-se e pediu reinclusão à ativa.

Ação retardadora”: Tipo de ação militar na qual uma tropa numericamente inferior ao oponente executa um movimento para a retaguarda, porém oferecendo resistência, trocando espaço por tempo.

Acoxambrado”: Feito nas coxas, de qualquer maneira, ou na moleza.

Adhemar Machado da Silva”: Pqdt n° 8 (Pioneiro), MS n° 8 e DoMPSA número 1.

Aeronave de asa rotativa”: Termo militar para designar Helicóptero.

Aeronave”: Termo militar para designar avião.

Afirmativo”: Forma militar para se dizer sim.

Agasalha”: Deixa pra lá, não se importa, ignora.

Agasalhar”: Assumir o erro e arcar com as consequências, fazer algum serviço desagradável e desestimulante.

Air France”: Antiga ZL utilizada em algumas manobras da tropa aeroterrestre na década de 50 e 60, na Barra da Tijuca, perpendicular à Avenida das Américas. Na década de 60, foi muito utilizada para exercícios de patrulha.

Alamares”: Os oficiais ajudantes-de-ordens dos oficiais generais usam, no ombro direito, um adereço de nome alamares. São semelhantes, no seu tecer, a uma corda, tradição do uso dos alamares. A cordinha, talvez, tenha nascido da boca de algum militar desinformado que, ao ser perguntado quem era o secretário do general, tenha respondido: "É aquele da cordinha"... talvez... (Veja “Cordinha de General).

Alberto Trevisan”: Primeiro capelão paraquedista militar brasileiro. Pqdt 64 – 1954/5.
  
ALC”: Primeiro paraquedas para saltos de cães, foi utilizado, pela primeira vez, pelo cão Piloto.

Alfaiate Malaquias”: Um dos primeiros, se não o mais importante, alfaiate dos primórdios das tropas aeroterrestres. A sua alfaiataria ficava perto da estação de Deodoro.

Alixa”: Primeira cadela a realizar um salto livre com equipamento KAP3, em setembro de 1981.

Aloprar”: Significa ficar fora de controle. Ex.: Ele aloprou dentro do avião.

Alto!”: Comando dado numa marcha para que a tropa pare imediatamente.

Alvorada”: Toque militar que anuncia a madrugada, o amanhecer.

AMAN”: Academia Militar das Agulhas Negras.

Andarolas”: No primeiro dia de apresentação às suas unidades, depois que o soldado recebia os seus fardamentos diários, sempre algum gaiato perguntava a um ingênuo: “O sargento não lhe entregou as andarolas?” Se o recruta respondesse: “Não.” O gaiato dizia a ele: “Vai lá e pede, senão no fim do ano você vai ter que pagar por algo que não recebeu.” Então, o cara se dirigia ao sargento que lhe entregara o fardamento: “Sargento, eu não recebi as andarolas!” O sargento, sabendo da sacanagem, perguntava a ele: “Você sabe o que é andarolas?” – respondia o soldado: “Não.” – Esclarecia o sargento: “Andarolas é um caralho e duas bolas!”

Antigo”: Elemento da tropa com mais tempo de serviço.

Antiguidade é Posto”: Jargão comum dentro dos quartéis. Exemplo: dez sargentos (todos do mesmo posto) quem tem algumas prioridades é sempre o mais antigo (por tempo de serviço).

À porta!”: Comando dado individualmente a um paraquedista militar para se dirigir à porta, já se preparando para saltar.

Aprovisionador”: Oficial responsável pelo rancho

AR-15”: Fuzil norte-americano, calibre 5,56mm, derivado do M16, utilizado em destacamentos especiais dentro da Brigada Pqdt e Forças Especiais.

Arataca”: Recruta pqdt que vinha da Região Nordeste.

Aratacal”: A terra dos aratacas.

Arma em Tasso”: Estado da arma quando a mesma se encontra travada aberta sem o carregador, sem o reforçador para tiro de festim. Obturador de cilindro de gases em A.

Arranchado”: Militar que mora e faz sempre as suas refeições no quartel.

Arrasto”: Quando na aterragem, o paraquedas não desinfla e arrasta, com o vento, o paraquedista de costas ou de frente, que deverá providenciar atitudes para reverter tal procedimento. Nos anos 50 e 60, o vento provocado pela hélice de um velho de avião fazia o arrasto dos Pqdts.

Arrego”: Pedir moleza ou algo fácil de se cumprir.

Arroio dos Afonsos”: Pequeno riacho que separava a Base Aérea dos Afonso do antigo Regimento Santos Dumont.

Asas de Prata”: Conjunto musical composto por alguns integrantes da Banda da Brigada de Infantaria Paraquedista que anima festa sem cunho militar em qualquer unidade paraquedista.

Assobai”: Associação dos Baiuqueiros e Amigos do Batalhão Dompsa;

Atento e Desfazer”: Ao comando do JEB, posição adotada pelo Pqdt ao lançar-se da aeronave, o militar fica nessa posição dentro da Área de Estágios e grita, após fazer a posição, Atento! Só pode voltar à posição normal quando recebe de volta a ordem: Desfazer!

Atiradores com espelhinho”: Artilharia de Costa.

Atravancar”: O mesmo que superar um obstáculo, atropelar, invadir, desbravar.

Auxiliar Dompsa”: Cabo ou soldado paraquedista com especialização na manutenção de paraquedas, no Batalhão Dompsa. Ele possui brasão próprio dessa função.

Auxiliar de MS”: É o segundo em comando no lançamento, auxiliando o Mestre de Salto na preparação e segurança do lançamento dos Pqdts.

Auxilar Prec”: Cabo ou soldado paraquedista com especialização em operações de Precursor. É o elemento que salta com o equipamento de orientação para o salto da tropa. Também possui brasão da função.

Auxiliar de Rec-fitas”: Eram os encarregados de puxar as fitas com as suas bolsas para dentro do avião. Podia ser sargento, cabo ou soldado antigo.

Avançar”: Na acepção de alcançar, passar. Na hora do rancho, na mesa de refeições dos oficiais Pqdts, por exemplo, em vez de se solicitar ao companheiro que passasse a travessa de arroz, pedia-se: "avance o arroz".

AVBIP”: Associação dos Veteranos da Brigada de Infantaria Paraquedista, que tem sua sede nos fundos do 8° GAC Pqdt, em Marechal Hermes. Congrega inúmeros Veteranos Pqdt.

Avenida Presidente Vargas”: Grande e larga avenida no centro do Rio de Janeiro, onde, todos os anos, no dia 7 de setembro, a Brigada de Infantaria Aeroterrestre desfila garbosamente.

Avião”: Designação genérica de qualquer aparelho de aviação. Mas, na tropa aeroterrestre, pode designar um pequeno grupamento de até 10 homens.

Azado”: Feito e apontado corretamente o azimute ou posição da tropa.

Azar, militar!”: Infortúnio, é empregado na frase tal como azar “Não deu certo, guerreiro? Azar, militar...”

AZM”: Sigla para Azar, Militar.

B-8 e B-12”: Primeiros paraquedas cedidos pela FAB para os primeiros saltos livres.

Badernaço”: Quando é cantado o hino “Dragões do Ar”, letra do General Germano Arnoldi Pedrozo, Pqdt 1605, com música do 2° Regimento Paraquedista da Legião Estrangeira, onde a tropa canta, no ritmo de canecos de chope, este hino com batidas rítmica na mesa. Em Portugal chamam de “panelaço” ou “canecaço”.

Baioneta”: Espécie de punhal mais longo, que é encaixado no bocal do fuzil, e serve para o combate corpo a corpo. A verdadeira baioneta não tem gume, ferindo somente pela ação da ponta. Hoje em dia esta arma é chamada de sabre pelo exército.

Baiuca”: Um comandante, ao visitar a Companhia de Suprimento e Manutenção de Paraquedas, viu que estava tudo desorganizado, chamou-a de uma baiuca (apelido que permanece até hoje).

Baiuqueiro”: Como são chamados os pqdts que serviram ou trabalham na Baiuca. São os dobradores de paraquedas, os responsáveis pela sua conservação.

Balanço”: Aparelho da Área de Estágios que simula a aterragem do militar ao solo. O aluno sobe em uma rampa de uns 2 metros e meio, se equipa como se estivesse com paraquedas completo, e este aparelho é preso por um cabo de aço nas mãos do Monitor, este dá o já ao aluno, que se balança por alguns segundos e é solto pelo instrutor para simular uma aterragem. O aluno pode descer da rampa tanto de frente, como lateral à esquerda ou à direita.

Bandoleira”: Suporte de lona reforçada, ou matérias sintéticas, que fica preso no fuzil e que dá maior portabilidade ao militar para conduzir seu armamento.

Banda de Música da Brigada”: Criada em 1959. Antes, as solenidades das Unidades Aeroterrestres eram acompanhadas pela Banda do 2° RI ou pela Banda da FAB do Campo Afonsos. Vide filme “Sai debaixo”.

Bandeira”: Acidente com paraquedas que se assemelha ao charuto, com pequena parte do velame inflado. Exige procedimento igual: abertura imediata do reserva.

Basic Airborne Curse”: Curso Básico Paraquedistas que os pioneiros fizeram nos EUA

Batalha”: Pequeno conflito bélico dentro uma guerra. Quem vencer mais batalhas, provavelmente vencerá a guerra.

Batalhão”: Unidade tática de Infantaria ou Cavalaria, que faz parte de um Regimento e se subdivide em Companhias.

Bazuca”: Arma bélica, de Infantaria, para lançamento de projéteis visando carros de combate, blindados em geral ou alvos rígidos.

Beretta (Metralhadora)”: Submetralhadora de calibre 9mm, de origem italiana, com boa empunhadura e portabilidade, que substituiu a metralhadora nacional INA e a Thompson 45.

Beretta (Pistola)”: Pistola semi-automática de calibre 9mm, de origem italiana, hoje no arsenal do Exército Brasileiro em substituição as Imbel 9mm e a famosa Colt 45.

Bianca”: Primeira cadela (fêmea) a saltar de paraquedas. Foi brevetada em 1957.

Bibico”: Em todo o Exército era usado, pois tinha dois bicos: um na frente e outro atrás. Foi substituído pela boina. Bibico, embora tivessem esta designação, na realidade só tinha um bico. Bibicos eram dos americanos ou da FAB, que até hoje são mantidos. No Sul ele chamado de “casquete”.

Bico-de-pato”: Gorro usado nas instruções diárias dos Pqdts, só mudando a cor: verde para os soldados e instrutores comuns; amarela para o pessoal do DOMPSA; vermelha para os precursores; preta para os Forças Especiais e Comandos; azul para os instrutores da Área de Estágios; laranja para o Destacamento de Saúde e verde-limão para o pessoal de salto livre.

B.I.”: Boletim Interno, documento que o comandante da unidade publica todas as suas ordens e os fatos que devem ser do conhecimento de toda a unidade; e é dividido em quatro partes distintas: 1ª Parte: Serviço Diário; 2ª Parte: Instrução; 3ª Parte: Assuntos Gerais; 4ª Parte: Justiça e Disciplina.

Bisonho”: O mesmo que mocorongo.

Bisu”: Cão Paraquedista brevetado em 1957.

Bizu”: Dica. Ex: Vou te dar um bizu, não vai por aí que tu vais cair dentro de um pântano!

Bizurado”: Alguém provido ou imbuído de bizus e macetes, sujeito prático e preparado para as diversas situações.

Bizuário”: O mesmo que apostila, manual de instrução.

Bobina”: Soldado enrolado.

Boca de sola”: Conhecido nas bandas militares de música como o músico muito ruim.

Boia”: Comida de milico.

Boi ralado”: Carne moída servida no rancho.

Boina”: Espécie de boné chato, sem costura e sem pala, comumente de lã.

Boina Vermelha” (ou grená): Boina de cor representativa da maioria das tropas paraquedistas no mundo todo. Foi aprovado o seu uso em nossa tropa em 15 de setembro de 1964.

Bolacha”: Emblema usado no gorro (bibico) dos Pqdts antes da boina.

Bombacha”: Elástico usado para prender a calça na altura da canela.

Bomba de gasolina”: Ainda hoje está situada logo à entrada do aquartelamento da Colina Longa, junto ao Museu Aeroterrestre. Ali eram realizadas as reuniões para os saltos do dia e onde o pessoal, após checagem do manifesto de voo, embarcava nas viaturas para o Afonsos.

Bem-da-chepa”: Pqdt que ingressou na Brigada não por amor à pátria ou ao paraquedismo, mas por "amor à chepa" (a bóia), a comida, o rancho, a marmita. Veio ser PQD "por bem da chepa".

Bonzo”: Lembram daqueles bifes de soja que andaram em moda? No refeitório dos quartéis eram chamados de “Bonzo.” No almoço, ao pegar o bife, sempre tinha um gaiato que dizia: “Bonzo” não é ração, é refeição".

Boot”: Corcoran boots (Botas do Corcoran) Marca das primeiras botinas importadas usada pelos pqdts brasileiros. Esse termo é inglês e teve a sua forma aportuguesa para bute.

Bornal”: Saco de pano para se guardar provisionamentos e demais utensílios militares.

Bosque dos Campeões”: Pequena área verde dentro do RSD, onde havia um pórtico com esse nome. No meio do bosque, havia uma estátua de bronze com uma águia e várias placas com os nomes dos paraquedistas mortos em saltos.

Brasão Pqdt”: Insígnia da Brigada de Infantaria Paraquedista criada em 1947, com as cores vermelha na borda, azul de fundo, paraquedas branco e uma águia em posição de ataque. Também é o distintivo do Centro de Instrução Paraquedista Gen. Penha Brasil, mas com a diferença que ostenta uma estrela, para nomear como uma escola.

Brevê prateado”: Sua forma original foi desenhada pelos pioneiros paraquedistas, e, imediatamente, aprovada pelo Cel Penha Brasil.

Brevet”: É uma graduação honorária, patente. E a forma estrangeira para designar o nosso brevê.

“Briefing”: É um conjunto de informações passadas em uma reunião para o desenvolvimento de um salto ou uma manobra de paraquedistas.

Brigada”: Unidade militar composta de alguns Batalhões e Companhias.

Broxante”: Apelido pejorativo que se dá ao mate servido no rancho ou na Área de Estágios.

Bucha de canhão”: Similar a bode expiatório. Aquele leva culpa de alguma coisa errada.

Buck”: Cão Pqdt brevetado em 1958.

Bute”: Do inglês boot coturno marrom usado pelos paraquedistas brasileiros. É a forma aportuguesa e gramaticalmente correta da palavra inglesa boot (bota), e deve sempre ser grafada desta forma em documentos brasileiros.

C-45 Beechcraft”: Aeronave de fabricação norte-americana foi utilizada em poucos lançamentos na década de 50.

C-46 Curtiss Commando”: Aeronave de fabricação norte-americana foi utilizada em poucos lançamentos na década de 50.

C-47 Douglas Skytrain”: Aeronave de fabricação norte-americana foi amplamente utilizada em toda a década de 50, e, aos poucos, foi sendo substituída pelo C-82 e C-119.

C-82 Flying Packet”: Aeronave norte americana destinada a operações aeroterrestres, uma variante mais moderna da C-82 "Flyng Box Car", utilizada até a chegada do C-115 Bufallo e C-130 Hércules.

C-115 Bufallo”: Aeronave muito versátil com ótima capacidade stoll (pouso e decolagem em pistas curtas). Tinha capacidade para 32 paraquedistas, com saltos somente pela rampa. Foi retirada de serviço em 2007, substituído pelo C-105 Amazonas.

C-119”: Aeronave norte-americana destinada às operações aeroterrestres. Foi uma variante mais moderna do C-82 "Flyng Packet", utilizado até a chegada do C-115 Bufallo e C-130 Hércules.

C-130 Hércules”: Aeronave norte-americana amplamente utilizada em operações de transporte e lançamento de paraquedistas no mundo todo. Avião quadrimotor, tanto lança tropa pela porta como pela sua ampla rampa, assim com transporta viaturas leves e tem capacidade de aterrissagem e decolagem em pistas não convencionais.

C-105 Amazonas”: Nova aeronave da FAB, de fabricação espanhola, substituiu o C-115 Bufallo nas operações aeroterrestres. Possui capacidade de transporte para 43 paraquedistas e alcance e autonomia bem superior ao antecessor, Bufallo.

C-141 Starfifter”: Jato quadrirreator norte-americano foi utilizado para testes em operações na FAB e operações aeroterrestres entre 1982 e 1986, podia transportar e lançar até 154 paraquedistas.

C-91 Avro”: Aeronave britânica que foi testada como vetor de lançamento de paraquedistas, mas, após alguns saltos e lançamentos de cargas, ficou constatado que a aeronave era inadequada para tais operações, culminando com a morte de um sargento Pqdt que, após saltar, bateu com a cabeça do profundor do avião, o que, definitivamente, selou o destino dessa aeronave para esses fins.

C-95 Bandeirantes”: Aeronave bimotor de médio porte que transportava 11 paraquedistas. Era de fabricação nacional da Embraer.

Cabeça-de-ponte”: Na área militar, quando é preciso conquistar um território onde o inimigo está solidamente instalado, busca-se criar uma cabeça-de-ponte para iniciar a invasão. Todo mundo se lembra do famoso “dia D”, durante a segunda guerra mundial. Neste dia um enorme contingente de soldados aliados começou a retomada da Europa através de uma cabeça-de-ponte na Normandia (sul da França).

Caatinga”: Curso Especial para o combatente que atuará neste ambiente inóspito da caatinga brasileira.

Cabo serra-fila”: Para definir o último da fila, é integrante de um pelotão de infantaria.

Cachimbo”: Militar novo na graduação, quando não esta sendo chupado está levando fumo.

Cadarço Pqdt”: Não bastava usar um bute marrom bem engraxado, ele tinha que possuir uma amarração com linhas de paraquedas e, quanto mais entrelaçamento possuísse, mais beleza havia no bute.

Cadência”: Ritmo a ser mantido em deslocamento da tropa a pé, variável conforme a ordem de comando.

Cadência de tiro”: Velocidade ou número de tiros disparados por uma arma em determinado espaço de tempo.

Cagalhão”: O mesmo que bisonho ou medroso.

Cagar mole”: Atitude do sujeito que tem de pagar uma missão e nem está se importando para executá-la.

Cagar no pau”: Tratar com ignorância ou indiferença, deixar de se importar com determinado acontecimento ou missão dada, usada mais corrente como: “Ele está cagando pro serviço”.

Caixa de abertura”: Sistema que encaixa os arnes do paraquedas no peito do paraquedista.

Cajor”: Gíria pejorativa para designar o capitão que esta há muito tempo sendo preterido para a promoção a major.

Calar”: O mesmo que juntar, unir, agregar, também pode ser dado na ordem “Calar Baioneta”, ou seja, colocar a baioneta no bocal do fuzil para o combate corpo-a-corpo

Calção preto”: Militares com curso na Escola de Educação Física do Exército.

“Calistênica”: A Calistenia (Calisthenics) nada mais é que a prática de exercícios físicos utilizando apenas o peso do próprio corpo para testar a sua resistência e adquirir músculos. Não pense que essa pode ser uma tarefa fácil, ou que você está livre daqueles pesinhos. Essa metodologia era utilizada com soldados que estavam em guerra e precisavam de alternativas para manter o corpo condicionado para as possíveis adversidades. O objetivo da Calistenia (Calisthenics) é preparar você para se tornar apto a fazer levantamento de peso a partir de seu próprio corpo.

Campo dos Afonsos”: Aeroporto, Base Aérea e ZL de paraquedistas.

Camuflar”: Disfarçar-se de modo a confundir-se com o ambiente.

Camuflado(a)”: Roupa, farda ou dispositivo que, geralmente, tem as tonalidades em verde e marrom: claro e escura para atrapalhar a visão do inimigo.

Canguru”: Exercício e castigo comum aos Pqdts para fortalecimento das pernas.

Canhão sem recuo”: Peça de Artilharia, raiado de 105 mm, montada em uma viatura leve, como um lança rojão (bazuca), mas de calibre e alcance maior.

Cantil”: Utensílio próprio para acondicionamento de água para uso pessoal, antigamente era de alumínio e agora é de plástico.

Cantor do lotação”: Era o motorista que levava os Pqdts do RSD à Estação de Deodoro e vice-versa, dependendo do horário. O seu nome: Manuel Maurílio do Sacramento. Atualmente, defronte ao antigo corpo da guarda do RSD, há uma placa que o homenageia: “Largo do Cantor”.

Capa Preta”: Designação dada ao Juiz da Justiça Militar.

Capacete”: Proteção para a cabeça, metálica ou fibra sintética usado na cabeça para proteção contra estilhaços de artilharia.

Capelão”: Padre, com patente de capitão, incumbido de rezar missa em capela, ou que dá assistência espiritual a regimentos militares.

Capixama”: Manta utilizada para o militar se deitar quando realiza exercício de tiro de fuzil.

Carcaça”: Termo da tropa para designar o corpo do militar morto.

Cardeal”: Como é conhecido o pessoal do Destacamento Precursor, pelo gorro vermelho.

Cartear”: O mesmo que falar algo sobre o que não se tem certeza absoluta, o popular “Chute”. Aplica-se ao militar que não tem convicção no que está relatando “Tá carteando, Militar, não enrola...”.

CAS”: Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos.

Casca-grossa”: Militar graduado mal-educado, pretensioso e vaidoso.

Caserna”: Ambiente de trabalho do militar.

Casquete”: O mês o que boné. Expressão muito usado para o bibico no Sul do País.

Cassino”: Local de descanso onde, normalmente, existe televisão, rádio, mesas para jogos de sargentos e oficiais.

Castigo”: Exercícios realizados pelo militar dentro da Área de Estágios, ou dentro de sua OM quando fazia alguma coisa errada, geralmente eram cangurus, pulos-de-galo e muitas flexões.

Castrense”: Adjetivo dado a palavreado, leis e normas e termos da Justiça Militar.

Casus belli”: Na terminologia bélica é uma expressão latina para designar um fato considerado suficientemente grave pelo Estado ofendido, para declarar guerra ao Estado supostamente ofensor. São, tradicionalmente, considerados casus belli o ataque predatório ao território de um Estado, efetuado por outro Estado, a agressão armada contra navios ou aeronaves.

Catanho”: Ração fria. É um tipo de refeição ligeira, utilizada por militares do Exército Brasileiro em viagens curtas ou missões rápidas, em que o militar não consegue ser alimentado por sua unidade. Consiste, basicamente, de um sanduíche, algumas frutas, chocolate, sucos ou refrigerantes. Todavia, o catanho, em sua forma mais comum e rústica, consiste de uma mistura de farinha de mandioca torrada com óleo de soja, pedaços de carne, sal, pedaços de goiabada acondicionada em sacos plásticos dispensando o uso de talheres, e deve ser consumida juntamente com a água do cantil para aumentar a sensação de saciedade. Enfim, é o lanche preparado por cada militar de uma tropa em alguma missão especial.

Caxias”: Militar disciplinado, cumpridor das normas da caserna.

CELOTEX”: Sigla para “Centro de Localização de Tarefas Expedidas”, quadro mural no qual se fixam avisos e comunicações.

Celso Nathan Guaraná de Barros”: Pqdt número 11 (Pioneiro) e Precursor número 1. Falecido e novembro de 2008.

Central”: Estação Ferroviária da Central do Brasil localizada no centro da cidade do Rio de Janeiro, ao lado do então Ministério da Guerra, onde desembarcam todos os militares que moram no subúrbio.

Centro de Instrução Pqdt”: Escola de Instrução e aperfeiçoamento de paraquedistas, que hoje é denominado Centro de Instrução Paraquedista General Penha Brasil.

Cerrar”: Deslocar, encaminhar: exemplo “Cerra junto comigo, Militar.”

CFC”: Curso de Formação de Cabos.

CFS”: Curso de Formação de Sargentos.

CH33 Puma”: Helicóptero francês constando nas unidades da FAB na década de 80, mas amplamente utilizado em operações aeroterrestres.

CH34 Superpuma”: Helicóptero francês que hoje é parte integrante das unidades de Aviação do Exército, a partir da década de 90, e amplamente utilizado em operações aeroterrestres.

Ch EM”: Chefe do Estado Maior.

Cha cha cha”: Outra famosa cadela vira-lata que saltava dentro de um saco especialmente feito para que ela se acomodasse ao saltar juntamente com um pqdt, na segunda metade dos anos 60.

Chá de mate”: Única bebida servida aos candidatos a Pqdts na Área de Estágios. O aluno tinha bebê-la sempre em movimento, não se parava nunca.

Chafurdar”: Fracassar, falhar no cumprimento da missão.

Chafurdio”: Situação de fracasso ou não cumprimento da missão dada.

Charles Astor”: Entusiasta do paraquedismo, muito amigo e ligado aos primórdios do Nuc Div Aet, o francês Achile Garcia Charles Astor talvez tenha sido o mais conhecido representante dos pilotos estrangeiros que realizavam shows aéreos pelo interior do Brasil, promovendo a aviação. Apelidado “O Diabo do Ar”, esse ex-soldado da Legião Estrangeira, também era acrobata e trapezista de circo, boxeador e atleta de cama elástica. Dedicou-se a promover a aviação no Brasil, que tornou sua segunda pátria. Apresentava-se, com freqüência, em cima da asa de um avião evoluindo sobre os espectadores e de lá mesmo saltava, usando um paraquedas de sua própria confecção. Após o americano Spencer Stanley, que saltou de paraquedas sobre São Paulo. Em 1890, o salto de Charles Astor, em 1931, deu início a uma grande divulgação desse esporte no Brasil. Charles Astor foi instrutor de ginástica acrobática e paraquedismo para os cadetes da antiga Escola de Aeronáutica do Campo dos Afonsos, RJ. O primeiro salto coletivo da América do Sul foi realizado em outubro de 1941, no Campo dos Afonsos, com a participação de 12 alunos de Charles Astor.

Charuto”: Acidente em que o paraquedas não abre, ficando com o formato de um charuto enrolado.

Chave de galão”: Era a enérgica repreensão dada por um oficial a qualquer praça graduada ou não. Alguns gaiatos ainda complementavam dizendo: “Galão é posto e posto não se dá a cabra safado”. "Chave de Galão" é igual a "chave de divisa" dependendo de quem usa semelhante recurso. Por exemplo: Normalmente, Rec Fitas era atribuição de Sgt. Normalmente, o Nu Div AéT, nos fins-de-ano, promoviam "saltos de demonstração" em cidades do interior do Brasil, visando o recrutamento de voluntários através do PR/20. Normalmente, os paraquedistas escalados, eram os oriundos daquelas regiões brasileiras. Quando o avião estava completo com os referidos militares, eis que acontecia a "chave de galão" quando o Rec Fitas da missão ostentava estrelas nos ombros. Era uma participação plenamente legal, haja vista que todos os mestres-de-salto estavam aptos a exercerem a função de Rec Fitas.

Cheirar o vento”: Expressão usada pelos precursores quando estão com a cabeça para fora do avião para verificar se ele está na rota, comunicando ao piloto.

Chiclete de vaca”: Fio de telefone de campanha que é lançado no campo, algumas vacas gostam de mastigá-los.

Chipanique”: Corruptela de “Scepaniuk”, criador do invento. Pino de arame ou metal usado no gancho de ancoragem para evitar a sua abertura acidental.

Chivunk”: Termo agregado na tropa a partir dos anos 2000, que expressa a última força, a carga final de um combatente antes de morrer. Na língua Tupi Guarani quer dizer o gás final, ou seja, quando seu corpo fica degradado e sua força acaba , ainda existe 40% da energia do seu corpo que você pode usar, esse é o Chivunk. (Fonte Dicionário Tupi Guarani)

Chumbreca”: O mesmo que repreensão, esporro.

Ciesp Aet”: Centro de Instrução Especial Aeroterrestre.

CIGS”: Centro de Instrução de Guerra na Selva, considerado como um dos melhores e mais difíceis no mundo todo, prepara o militar para combate na selva, e, além do militar brasileiro, instrui oficiais e sargentos estrangeiros.

Cinto VO”: Cinturão de instrução de campanha, de origem norte-americana, de cor verde-oliva.

CIOEsp”: Centro de Instrução de Operações Especiais, situada no Rio de Janeiro, na estrada do Camboatá, ministra um dos cursos de Operações Especiais mais bem conceituados da América Latina. Depois de formados, os oficiais e sargentos são enviados para servirem na Brigada de Operações Especiais, em Goiânia. As Forças Especiais foram criadas dentro da Brigada Paraquedista, tendo como Pioneiro o Cel. Gilberto Antonio Azevedo e Silva, pai do hoje (2007/2008) Gen. Fernando Azevedo, Comandante da Bda Inf Pqdt.

Cocô de Avião”: O Soldado Pqdt referido, invejosamente, pelo pé-preto.

Colado”: Militar desprovido de presteza ou prontidão em certa tarefa.

Colar as placas”: O mesmo que ficar envergonhado, intimidar-se em frente dos outros, exemplo: “Fulano colou em forma diante da tropa...”

Colega de bivaque”: No meu tempo, as tendas de campanha individuais (cabiam dois militares), cada um levava um pedaço da lona e estacas para armar as mesmas. (Veja “De rancho”)

Colina Longa”: Unidade paraquedista onde estão os destacamentos mais treinados e especializados da Brigada: Destacamento Precursor, Destacamento dos Forças Especiais e Comandos, Destacamento dos Instrutores da Área de Estágios e o Museu Aeroterrestre. Fica defronte a Área de Estágios.

Comandos”: Os Comandos são especialmente organizados, adestrados e equipados para o planejamento, a condução e execução de ações de comandos. Operações especiais que exploram a surpresa, a rapidez a audácia e a coragem, desenvolvidas com ênfase na execução descentralizada de seus Destacamentos de Ações de Comandos (DAC), no acendrado espírito descentralizado de seus Destacamentos de Ações de corpo de seus integrantes, numa ação de grande intensidade.

Confusão na zona”: Ensopado servido no rancho.

Comanf”: Comandos Anfíbios - a Forças Especiais do Grupamento de Fuzileiros Navais que fazem o curso de paraquedista militar e de salto livre no C Inst Pqdt GPB.

Companhia”: É uma unidade militar tradicionalmente comandada por um Capitão. Dependendo da missão, país de origem e composição, e baixas durante a ação, uma Companhia tem entre 62 a 200 militares divididos em pelotões. Várias companhias vão compor um Batalhão.

Conscrito”: Como se chamava o candidato à recruta que ainda não havia incorporado. Civil que se alista e vai prestar exames para o Serviço Militar Obrigatório. Somente depois de incorporar numa OM, ele será recruta.

COP”: Clube dos Oficiais Paraquedistas.

Copiou?”: Termo militar utilizado em Comunicação para perguntar ao interlocutor se ele entendeu a mensagem.

Cordinha de General”: O imediato do genebra, o assessor que fica sempre andando atrás dele, onde o homem for, ele segue seus passos como se tivesse sendo puxado. (Veja “Alamares”).

Corpo da Guarda”: Tropa que fica de prontidão no portão principal da unidade.

Corneta”: Instrumento de sopro com bocal usado pelo corneteiro

Corneteiro”: Militar especialista em tocar o Clarim, tem QM exclusiva e é muito conceituado dentro do meio militar, tendo até QM amparada, ou seja, com estabilidade.

Cota”: O mesmo que morro ou elevação topográfica.

Coturno”: Bota militar de cor preta, usado por todos os demais militares não paraquedistas.

COTER”: Comando de Operações Terrestres do Exército Brasileiro à qual a Brigada de Infantaria Paraquedista está diretamente subordinada.

CPP2”: Cachorra vira-lata que saltava dentro de uma bolsa de transporte de paraquedas. Saltou umas vinte vezes acompanhando sempre a tropa, entre 1966 a 1968.

C Prec”: Companhia de Precursores.

Cri-cri”: Ganchinho de metal utilizado pelo recruta para tirar as ervas daninhas no meio dos paralelepípedos nas unidades militares, um castigo ou tarefa nada agradável.

Cristalizar na porta”: Aluno, instruendo, ou pé preto que pára de medo na porta ou na rampa.

Cumpre Expediente”: Estar de plantão em determinado posto.

Curso Básico ou Curso Básico Pqdt”: Curso para oficiais e sargentos para a formação paraquedista. Anteriormente, todos os militares, oficiais, sargentos, cabos e soldados faziam o mesmo curso, hoje, não.

Cut Away”: Modalidade de salto livre realizado na Brigada Paraquedista, cujo idealizador foi o Pqdt 2088, Caribê Lemos Monte Santo.

De cabo de esquadra”: Quando alguém nos apresenta um argumento estúpido, ilógico, inadequado. Afigura-se óbvio que a origem da expressão está no "cabo de esquadra". Quem são ou quem foram os "cabos de esquadra"? Em tempos não muito remotos, em Portugal, o graduado inferior de uma esquadra de polícia era conhecido como "cabo de esquadra". Nesses tempos, mais do que hoje, os agentes da Polícia provinham da população rural, com poucas letras e tacanha civilidade. Entrados na tropa, após o fim do tempo de serviço militar, muitos deles, por natural desejo de melhoria de vida, alistavam-se na Polícia, na Guarda Republicana ou na Guarda Fiscal.

Delta alta”: Posição que o saltador livre toma no ar para acelerar a sua queda.

Deodoro”: Estação Ferroviária no bairro carioca de Deodoro, onde alguns paraquedistas desciam ou embarcavam para suas casas, e onde, também, algumas patrulhas de policiamento de pqdts faziam suas rondas.

De rancho”: Usa-se esse termo para designar o colega que acampa contigo. Quando acampamos, cada Pqdt leva, em seu equipamento individual, duas estacas e meia lona de barraca, que junto a outro com que tenhas alguma afinidade, arma-se uma barraca para os dois. Ele será o seu "de rancho".

Desembocar”: Levar adiante alguma tarefa de modo aproveitável, o mesmo que pagar missão, cumprir com facilidade algo difícil.

Destravar”: Ato de desbloquear a trava da arma.

Deu luz verde”: Para um MS significa que a aeronave já esta na ZL; para um Paraquedista significa que a mina deu bola.

Divisão”: Grande Unidade composta de cinco a seis Brigadas.

Do céu vem a proteção – Brasil Acima de Tudo”: Lema do Destacamento de Saúde Paraquedistas

Do cavalo ao avião, para cumprir qualquer missão.”: Lema do Esquadrão de Cavalaria Paraquedista.

Dobrado”: Música instrumental executada por uma banda militar.

Dolfh”: Cão pastor alemão Pqdt que, por falha de abertura do paraquedas, morreu em fevereiro de 1965.

Dom Alberto Trevisan”: 22 de junho de 1916 a 18 de março de 1998. Pqdt 64, ele foi o primeiro bispo paraquedista brasileiro.

Domingos Ferreira Gonçalves”: Autor do livro “Memórias da Brigada de Infantaria Paraquedista”, livro que resgata acontecimentos históricos, pesquisas apuradas e depoimentos de vários paraquedistas das mais variadas gerações e graduações.

DoMPSA”: Designação do Curso ou do Militar especializado em Dobragem, Manutenção de Paraquedas e Suprimento pelo Ar.

Dragões”: Como eram denominados nos anos 60 os pqdts que tinham mais saltos no Núcleo da Divisão Aeroterrestre.

Duplo L”: Tipo de paraquedas de salto livre em forma redonda.

Duplo T”: Tipo de paraquedas de salto livre em forma retangular.

ECEME”: Escola de Comando e Estado Maior do Exército.

EDL”: Sigla para Exercício de Demonstração de Liderança.

ELD”: Sigla para Exercício de Longa Duração.

Ele está embromando, Sargento/Tenente!” Era quando os veteranos pqdts ficavam entregando quem não estava fazendo a ginástica direito.

Elemento”: Termo para designar individualmente um militar ou uma pessoa estranha ao quartel.

Embromador”: Enrolador, fazedor de corpo mole.

Embusteiro”: Pqdt que mostrava uma porrada de fotos de saltos a parentes, namorada, amigos e 99% não eram dele. Principalmente recruta que chegam em casa com fotos do pessoal de salto livre e diz na maior cara de pau para o pessoal: “Olha aqui eu saltando...” Ou, ainda, fotos de ações das Forças Especiais e o sacana mente mais ainda para a família e amigos: “Viu só eu ralando mais que o Rambo...”

Em direção ao infinito, ordinário, marche!: Frase muito usada quando um subordinado está enchendo a paciência de um superior sem motivo aparente.

Empurrar o mundo”: O mesmo que fazer exercício de flexão com os braços.

Empurrar o solo pátrio”: Também significa fazer flexões de braço.

Enganchado”: Saltar enganchado é o salto mais comum e freqüente de todos os Pqdts. Significa colocar o gancho no cabo de ancoragem de uma aeronave para saltar.

Engesa”: Cia. brasileira fabricante de viaturas militares, no caso da Brigada Paraquedista, utiliza-se os caminhões 2,5 Ton e 1,5 Ton, além de um jipe armado com metralhadora Mag 7,62mm.

Enquadrado”: Militar que segue rigorosamente as normas e os regulamentos militares.

Entrelaçamento”: Um paraquedista passa por dentro das linhas do paraquedas de um companheiro, não podendo separa-se. Devem aterrar juntos, um segurando o outro. Acontece quando dois Pqdts saem do avião, por portas diferentes, ao mesmo tempo.

Entrosobado”: Termo aplicado a algum militar que esta em alguma irregularidade.

Equipe de Terra e Salvamento”: Equipe formada por militares paraquedistas postos de prontidão para resgatar Pqdts que, no salto, caíssem no canal de Gramacho.

ESA”: Escola de Sargentos das Armas.

Escamar”: Acochambrar, fugir das tarefas.

Escamoso”: militar que foge sempre das tarefas.

Escamotear”: O mesmo que se omitir.

Escranzinar”: Pagar geral, dar esporro.

EsAO”: Escola de Aperfeiçoamento de Oficias.

ESG”: Escola Superior de Guerra.

“Espirro de pica”: Forma preconceituosa de como alguns sargentos chamavam os soldados magros e baixos no RSD.
  
Esporro”: Xingamento feito por um superior a um subordinado que cometeu um erro.

Esquadrão”: Seção de um regimento de cavalaria.

Esquilo”: Helicóptero em ação nos Esq Aviação do Exército, de fabricação brasileira pela Helibras, e amplamente usado em ações das tropas aeroterrestres.

Estágio Básico ou Estágio Básico Pqdt”: Curso de formação básico paraquedistas para Cabos e Soldados.

ETA”: Estágio de Transporte Aéreo tem por finalidade habilitar Oficias e Sargentos da Bda de Infantaria Paraquedista, bem como de todo o Exército Brasileiro, a preparar, com correção, o material a ser transportado em uma aeronave militar.

Eterno Herói”: Canção Oficial da Brigada Paraquedista criada em 1947 pelo então Cap Newton Lisboa Lemos.

Exfiltração”: Ação após uma infiltração de sair rapidamente do território inimigo, depois do cumprimento de uma missão.

Extração”: Carga ou viatura extraída de dentro de um C-130 a baixa altura.

Faca de campanha”: Faca de porte individual que serve para defesa e ataque.

Faca na caveira”: Termo utilizado para designar militares do Curso de Comandos e FoEsp.

Faca Fregapani”: Faca idealizada, nos anos 60, pelo Cel. Gélio Augusto Barbosa Fregapani, Pqdt 8253, que foi muito usada na Brigada de Infantaria Paraquedista.

FAL”: Fuzil Automático Leve, calibre 7,62mm de origem Belga, mas hoje fabricado sob licença pela Imbel, com coronha rebatível para uso de paraquedistas e operações especiais, selva e montanha.

Fanfarrão”: Brincalhão, militar que não levava o treinamento a sério. O que se acha o bom.

FAP”: Fuzil Automático Pesado, um derivado do FAL, com calibre 7,62mm, mas com maior potência de fogo e com um tripé.

Falsa Baiana”: Cabo de aço onde o militar, auxiliado por uma outra corda de apoio, faz a transposição de cursos d´água ou terrenos acidentados.

Falso avião”: Avião da Área de Estágios onde se aprende a sair de uma aeronave, caindo de uma altura baixa do chão para fazer os procedimentos de uma aterragem.

Farândula”: Bagunça, zaralho , situação fora dos padrões normais.

Fardo”: Recruta nos primeiros saltos.

Fast Rope”: Ação de forças especiais e paraquedistas que utiliza uma corda presa a um helicóptero, onde o militar desce agarrado, rapidamente, sem que a aeronave, de asa rotativa, precise pousar.

FATD”: Sigla para Ficha de Apuração de Transgressão Disciplinar.

Fazer continência com o chapéu do outro”: Militar tentando ser o que não é.
   
FE”: Designação como são chamados os Pqdts que tem o curso de Forças Especiais. As Forças Especiais teve sua origem dentro do Núcleo da Divisão Aeroterrestre, e hoje tem uma Brigada própria na cidade de Goiânia. Constituem-se numa organização militar especializada na condução da guerra irregular que, pela versatilidade que lhe conferem a estrutura, o grau de instrução e o grande número de especialistas orgânicos, pode ser empregada em grande variedade de missões que contribuem para a consecução dos objetivos do Exército como um todo. O 1° BFEsp é a unidade da Força Terrestre capacitada a planejar, conduzir e executar operações de guerra irregular, fuga e evasão, inteligência de combate, contraguerrilha, guerra de resistência, operações psicológicas, reconhecimento estratégico, busca, localização e ataque a alvos estratégicos.

Ferrado”: Quando um militar fazia uma coisa errada e sentia que iria ser punido. “Estou ferrado!”

FIT”: Sigla usada na AMAN para a prova de instrução: Fibra, Iniciativa e Tenacidade.

Fita”: Tirante reforçado (geralmente de cor amarela) que fica estática no paraquedas do militar aeroterrestre, ligado a um gancho que é colocado no cabo de aeronave, que, ao saltar, estica a fita fazendo a abertura do paraquedas principal.

F.O.”: Sigla para Fato Observado: se de cunho negativo, refere-se à punição por escrito e publicado em boletim ao infrator, e deve ser aplicado em tempo oportuno: se positivo, na mesma forma é publicado no boletim, e pode vir a se converter em beneficio para a ficha de comportamento do militar.

Força de Ação Rápida”: Unidade diretamente subordinadas ao COTER e a Brig Inf Pqdt é uma deste organograma. Além dos Esq Av Ex, Brig Inf Leve, Brig Forças Especiais e outras, a Força de Ação Rápida (FAR), dotada de elevada mobilidade estratégica e com capacidade para ser empregada em qualquer parte do território nacional.

Força Tarefa Santos Dumont”: Grupamento de Ação Imediata, com base no efetivo do 26° Bat Inf Pqdt, com o apoio de frações de unidades da Cav Pqdt, Eng Pqdt, Artilharia Pqdt, Dompsa e Blog, de prontidão, para se lançar em missão em qualquer local do país em menos de 24 horas.

Fort Benning”: Local onde nossos Pioneiros fizeram os cursos de paraquedistas, dompsa e precursor, chamado The Parachute School, fica na Geórgia, USA.

Fração”: Pequena unidade de tropa.

Fuga e Evasão”: Exercício completo que adestra o paraquedista (que já deu cinco saltos na semana anterior) e agora deverá passar pelo último grande teste probatório realizado no TIBC, que consiste em exercícios de tiro real, manobrabilidade, azimute, transposição de cursos d´agua, rapel, lançamento de granadas, uso de gás lacrimogênio, sobrevivência na selva. Comendo desde larvas, cobras, animais outros, frutos e, principalmente, restos de comida dos instrutores. Esse exercício começa em um domingo à noite e gira 24 horas por dia, sem que o militar possa dormir, com pouca comida e muita ralação. Seguindo até sexta, onde o exercício de fuga e evasão é o ápice desta tortuosa semana, que forjará o verdadeiro combatente aeroterrestre, onde o militar exaurido pela fome, frio e sono é testado em sua capacidade máxima para superar as adversidades desse exame eliminatório em Xerém, Madureira e Mendanha.

Fumo”: Repreensão enérgica dada por um superior a um subordinado. Usado no termo: “Militar, você fez merda, vais levar fumo!”.

Furiosa”: Banda militar simples, basicamente composta de instrumentos de percussão.

Furriel”: Tem origem no francês “fourrier”, de forragem (fourrage). Era o encarregado tradicionalmente do forrageamento dos eqüinos. Ela existiu até há pouco tempo entre nós, sendo substituída pela de 3º sargento, passando a graduação furriel a designar uma função militar.

Fuzil”: Arma de longo alcance. Termo militar para designar carabina, no Brasil, o mais usado é o FAL e nas tropas Pqdt, o Para-Fal em versão 7,62 e 5,56.

Fuzil .308 AGLC”: Ele possui a sigla de seu idealizador: o hoje Coronel R1 Athos Gabriel Lacerda de Carvalho, Pqdt 27308, do Curso Básico de 1975/2.

Gabarito”: O mesmo que padrão, alguma missão ou designação realizada perfeitamente e serve de lição para os demais.

Garbo”: Elegância, compostura e esmero em que o militar deve se trajar, desfilar ou se apresentar.

Gancho”: Peça essencial no lançamento do salto enganchado, que fica instalado pelo militar em um cabo de ancoragem ligado por uma fita reforçada. Ele abrirá o paraquedas principal.

Gancho de Bronze Prata e Ouro”: Prêmio dado aos militares paraquedistas que completaram 100, 200 e 400 saltos. Eles são premiados com um replica de um gancho.

Gandola”: Roupa militar: é uma camisa de textura mais grossa.

Gaspar”: Antigo fotógrafo que registrou as primeiras imagens de pqdts brasileiros, no final dos anos 40 e anos 50, principalmente na Colina Longa. Foi, também, muito atuante nas décadas de 60 e 70, tirando milhares de fotos de nossos paraquedistas.

GC”: Sigla para designar um Grupo de Combate na Infantaria.

Geladeira”: Castigo usado no TIBC, onde o instruendo, se cometer alguma infração, é colocado dentro de riachos, cascatas com temperatura baixa, podendo (como já aconteceu) causar danos fatais, como hipotermia ao aluno.

Genebra”: Forma como os soldados, nas internas, chamam, entre si, um general.

General de pijama”: General da reserva.

General das praças”: Subtenente.

Geremias”: Nome do boneco que dissimula um homem preso à aeronave para exercícios de Mestre de Salto.

Gericinó”: Antiga ZL e campo de treinamento militar. Hoje, é um Campo de Instrução localizado na Avenida Brasil, onde várias unidades militares fazem seus exercícios militares de deslocamento e tiros.

Geronimoooooooo”: O que os Pqdts americanos, de Fort Benning, gritavam, equivalendo a quatro segundos, para esperar a abertura do paraquedas. Os pioneiros brasileiros faziam o mesmo quando saltaram lá.

Guerreiro alado”: Termo genérico para o militar paraquedista brasileiro

Gilberto Antônio Azevedo e Silva”: Coronel de Infantaria R1, Pqdt 446, Precursor 09, Forças Especiais número 1. É pai do atual General de Brigada Fernando Azevedo e Silva.
  
Girante”: Morro atrás da Cia. de Engenharia, Esq Cav Pqdt e Baiúca, utilizado em exercícios militares e alguns saltos na década de 50.

Glider”: Termo usado para os militares que faziam no The Parachute School, em Fort Benning, USA, o curso de planador, entre eles, os nossos 47 pioneiros.

GO”: (Gê Ó) Grupo de Obuses como era conhecido o hoje 8° GAC Pqdt.

Gordo”: Apelido da aeronave C-130 Hércules.

Graduado”: Termo utilizado para designar Sargentos e Suboficiais.

Grafonsos”: Grupo de Veteranos Pqdts com sede em Porto Alegre. O nome vem Gra (Gravataí, o rio) e fonsos (Afonsos, o arroio). Mas há, também, outra que diz que vem Gra (Gramacho, a primeira ZL paraquedista militar) e fonsos, o arroio.

Grafonense”: Todo aquele que é membro do Grafonsos, tanto participando do grupo em Porto Alegre como em todo Brasil, ligados pela Internet.

Gramacho”: Primeira ZL utilizada pelos paraquedistas, que deixou muitas saudades em que lá aterrou (menos os que caíram no canal) e onde hoje se localiza a REDUC. Funcionou de 20 de janeiro de 1949 até 20 de outubro de 1971.

Granada”: Tanto pode ser o artefato militar explosivo, usado sendo atirado contra as tropas inimigas, que pode ser defensivas ou ofensivas; como pode ser o apelido da comida "almôndegas" servida nos ranchos paraquedistas.

Granada de bocal”: Artefato bélico de pequeno porte que hoje é lançado através do fuzil Fal/ParaFal, para dar suporte de fogo contra tropas e viaturas.

GRUMEC”: Grupo de Megulhadores de Combate: Oficiais e Sargentos da Marinha do Brasil (não FN), que são adestrados em táticas de ações especiais nos moldes dos SEALS norte-americanos, e que são paraquedistas, todos brevetados no curso do Centro de Inst Pqdt GPB.

GU”: (Gê U) Grande Unidade, refere-se à OM em nível de Brigada, Divisão.

Guarda-fecho”: Bife a rolê.

GUD”: Grupo de Unidades Divisionárias, embrião do hoje 20º Batalhão Logístico Pqdt. Ficava na Colina Longa.

Hércules”: Nome de batismo internacional do Lockeed, aeronave C-130 Hercules, principal vetor de lançamento e operações aeroterrestres no Brasil e em vários locais no mundo.

HM 1 Pantera”: Nome do Helicóptero Pantera da Escola de Aviação do Exército usado em apoio às operações aeroterrestres.

Hop!”: Termo usado a partir dos anos 2000 na tropa, que é o mesmo que: “Pronto”, “Presente”.

Hora do Pato”: Era quando o militar cometia alguma transgressão disciplinar e era chamado ao gabinete do Comandante para se explicar. Daí, ele ficava lá: “quá, quá, quá”, e, 98% das vezes, era punido e seu nome constado no boletim: "4ª parte, Justiça e Disciplina". Por isso "hora do pato", era quando o oficial matava, depenava e punia o milico.

Hora do pernoite”: Momento, geralmente por volta das 21h, onde a tropa, que está aquartelada e mais a guarnição, entram em forma, e é feito chamada e dada as instruções para o pernoite.
  
HK MP 5”: Submetralhadora de calibre 9mm, de origem alemã, principalmente utilizada em operações especiais, tendo como acessórios, amplamente usados: silenciador e mira telescópica.

Hurra”: Brado de alegria, triunfo e orgulho de uma tropa.

Imbuído”: Qualidade militar do que é bom e dedicado.

I.C.”: Sigla de “Impedido na Companhia”, espécie de punição impedindo o militar punido a sair do aquartelamento.

Igual à Cavalaria”: Forma jocosa do pessoal da Infantaria se referir a alguém faz algo “Rápido e mal-feito”.

INA”: Submetralhadora de fabricação nacional de 45mm, depois teve uma versão de 9mm, mas foi substituída na década de 70 pela M70 Beretta.

Incidente de tiro”: Interrupção no funcionamento da arma, causada por ação imperfeita da peça, falha de munição ou falta de perícia do atirador.

Incorporado”: Situação de um militar que é admitido no serviço militar, escola ou academia militar.

Índio Zulu”: Significa Indisponibilidade Zero. É quando um comandante quer que algo seja feito de qualquer maneira.

Infiltração”: Tipo de ação militar na qual uma tropa especial penetra em território inimigo para cumprir uma missão, é típico de unidades Paraquedistas, Forças Especiais e Comandos, Grumec, Comanf e Unidades Especiais da FAB, tendo como meios de locomoção, aeronaves com saltos de paraquedas, submarinos, bote de assalto, ou outros meios furtivos.

Inopinado”: Exercício de instrução militar sem aviso prévio, com duração de um dia para o outro.

Inversão”: A inversão dos tirantes do paraquedas limita os movimentos da cabeça do paraquedista. É ocasionado quando o homem abandona a aeronave de cabeça para baixo. Dispensa qualquer procedimento extra. É responsável por grande perda de capacetes.

Ivi Costa dos Santos”: 1° Tenente – Pqdt 71.715 – 2006/1 – Primeira paraquedista militar brasileira.

I.P.C.”: Termo entre a tropa que significa algo prioritário que não deve ser esquecido, ou “Importante Pra Caralho”.

Já!”: Ordem dada pelo MS ao paraquedista na porta ou na rampa da aeronave no momento do salto.

Já estou na ZL”: Quando alguém (sempre um ex-Pqdt) diz por telefone que já está próximo do local combinado para um encontro, quase sempre um almoço com antigos companheiros.

Jangal”: Salto realizado em momento que envolve muita tensão. É superperigoso. (palavreado utilizado mais na década de 80 em diante).

Jeb”: Posição adotada pelo paraquedista já fora da aeronave, ao dar um de salto enganchado, onde o Pqdt “fecha-se” em torno do equipamento: queixo colado no peito, braços bem envoltos ao paraquedas reserva, pernas fechadas.

Jeep Bag”: (ou P2-B) Pacote para ser colocada a metralhadora Browning ponto 30. O pacote é conectado ao corpo do Pqdt e, numa altura próxima da terra, o pacote é desprendido do Pqdt, que aterra logo depois do pacote chegar ao chão.

Jirau”: Palanque, plataforma construída com troncos de árvores no meio da mata, para dormir ou para observação.

Jugular e Queixeira”: Tiras do capacete que se firmam ao rosto do militar.

Jump Master”: Como é chamado, nos Estados Unidos, o militar que corresponde ao nosso MS.

Juruna”: Temos dois significados:

1) Significa uma alusão aos cabos e sargentos promovidos sem possibilidade de alcançar nova graduação. Dizia-se, “O Cabo ou Sargento João é Juruna.”

2) Cabo que é promovido por ter muitos anos na graduação. Como recompensa, quando ele passa à reserva, é promovido a sargento: "Sargento Juruna".

Kaol”: Era o café com leite que serviam pela manhã.

“KP-3”: Dispositivo de abertura automática para cães paraquedistas.

“Lançamento pesado”: Lançamento de fardos, material, munição, viaturas e blindados com paraquedas G11 e G12.

“Laranjeira”: Eram os cariocas que pousavam no quartel e iam embora no final de semana...

“L.C.”: Sigla para “Licença Cassada”, militar punido sem direito a sair de sua unidade.

Letra”: O mesmo que bizu, dica. Ex. “Vou te dar uma letra...”

Ly Adorno de Carvalho”: Pqdt 503, Precursor e Pioneiro Forças Especiais, autor do primeiro e histórico livro sobre a Brigada de Infantaria Paraquedista: “Ser Paraquedista”, de 1995. Hoje esgotado e uma raridade.

Lobo”: Cão Pqdt brevetado em 1964.

M 79 Lançador de granada”: De fabricação norte-americana, lançador de um projétil 40mm, de tiro único e portabilidade bem acessível e é transportado da mesma maneira de um fuzil ou escopeta.

Macete”: O mesmo que dica, jeito de entender e executar uma ordem ou missão de forma menos complicada.

Macetado”: Um militar que é expert em dar bizus ou macetes.

Maestro metrônomo”: Conhecido nas bandas militares de música como mestre de banda inseguro, nervoso, preocupado e/ou sem expressão.

MAG”: Metralhadora antipessoal de 7,62mm, ótima portabilidade em ações ao apoio de pelotões, companhias e batalhões.

Manda Brasa”: Bloco carnavalesco, tipo “Bloco de Sujos” de paraquedistas e ex-paraquedistas que desfilava, nos anos 50 e 60 por Marechal Hermes, no sábado de Carnaval. Cremos que hoje esteja extinto.
  
Mangue”: Zona de baixo meretrício do Rio de Janeiro muito frequentada por pqdts de outros estados brasileiros.

Mais antigo”: Militar com mais tempo na graduação.

Mais moderno”: Militar novo na graduação.

Manu militari”: Ou mão militar é expressão latina utilizada para designar aquele que impele o cumprimento de uma ordem ou obrigação com a ajuda militar, com a força armada ou com o poder de polícia em seu auxílio. Com rigor.

Meio-esse”: Corruptela de Mae West. A forma do sutiã que fica o paraquedas quando passa uma linha por cima do velame. O termo usado para o defeito no paraquedas foi criado informalmente pelos americanos, primeiro, e depois, muito justamente, copiado por nós. Mae West, atriz dos anos 30, também ficou famosa pelos seios e pelas frases.

Manga lisa”: Oficial superior sem ECEME; também pode ser sargento sem aperfeiçoamento.

Mamãe Dolores”: O mesmo que acoxambrado; turno no final do ano para brevetar alguns pqdts retardatários.

Manicacas”: Distintivos de Cursos que todo pqdt gosta de usar, quanto mais tem, melhor se sente.

Manifesto de Voo”: Lista dos escalados para os saltos. Uma via ia antes para a 5ª FATA, órgão da FAB à qual o 1º GTT e o 2° GTT estão subordinados.

Máquina zero” Corte de cabelo dos recrutas e alunos.

Marechal Hermes”: É o bairro carioca onde nossos bravos militares procuram fazer o hoje chamado "happy hour". É onde mais moram Pqdts na cidade do Rio de Janeiro.

Maria Batalhão”: Mulher com fascínio por militares, principalmente Pqdt.

Mariola”: Tablete de bananada que era o único lanche da Área de Estágios.

Memória da Brigada de Infantaria Paraquedista”: Livro do Cap. Pqdt Domingos Gonçalves é o segundo e importante livro sobre os Pqdts brasileiros. Ele traz pesquisas, fatos, acontecimentos e personagens da mais variadas graduações da Brig. Inf. Pqdt.

Mendanha”: Campo de instrução já utilizado pela Brigada Paraquedista no TIBC.

Mestre de Salto Livre”: Militar especializado em comandar os saltos livres.

Mestre de Salto”: Militar especializado em comandar, orientar e ser responsável pelo embarque, voo, lançamento de militares e cargas, e retorno do pessoal embarcado. É, sem dúvida, uma das funções mais importantes dentro da nossa Brigada.

Material de sapa”: Talheres articulados para refeição, mas para o pessoal da Engenharia, é o material utilizado pelo Sapador, militar especializado em detecção e colocação de minas antipessoais e anticarro.

Mijada”: Repreensão veemente e inflamada do superior a algum subordinado que tenha feito algo muito errado.

Milico”: Forma comum para denominar um militar.
  
Miliquês”: Maneira de falar dos militares

Missão”: Nome comumente atribuído a qualquer tarefa recebida por um militar.

Mocorongo”: Bisonho, molenga, mole, burrinho. (Pé-preto em potencial).

Modernos”: Militares mais novos numa Unidade.

Modus operandi”: É uma expressão latina que significa "modo de operação". É alguém ou algo que usa o mesmo jeito e aplicação em todas as coisas que realiza, faz tudo do mesmo jeito de uma mesma forma, de maneira que se identifique por quem foi feito aquele determinado trabalho.

Montanha”: Seguindo as tradições do 11° Batalhão, que esteve na FEB durante a Segunda Guerra, após seu retorno, o Brasil começou a perceber que precisaria de uma unidade especializada em guerra nas montanhas, com a experiência adquirida principalmente em Montese e Monte Castelo. Em 1977, o Estado-Maior do Exército, empenhado em dotar a Força Terrestre com tropa apta a operar em regiões montanhosas, baixou diretriz para que uma unidade da área do atual Comando Militar do Leste iniciasse pesquisa e desenvolvimento de técnicas e táticas inerentes a esse ambiente operacional. O então 11º BI foi designado para essa atividade, tornando-se a única unidade do Exército Brasileiro apta ao desenvolvimento e à aplicação de técnicas de montanhismo. Com isso, em 1º de dezembro de 1992, o 11º BI transformou-se em 11º Batalhão de Infantaria de Montanha.

Monitor”: Oficial ou Sargento responsável em ministrar, administrar, cobrar, avaliar e formar todo o paraquedista militar brasileiro.

Morteiro”: Peça de artilharia: canhão curto e de boca larga, com uma sapada de ferro para dar suporte e é usado plenamente pelo pessoal de infantaria, pode ser de 60 ou 90 mm.

Mosquetão”: Arma longa, semelhante a um fuzil, mas com cano menor. Jargão brasileiro para evitar chamar de carabina armas como o fuzil Mauser 1922 e 1935 ou o Imbel 1954.

Motorista-de-dia”: Militar que está escalado para ser o motorista da viatura oficial da unidade.

MS”: Forma comum como se chamam os Mestres de Salto. Pqdt graduado, com curso específico, responsável pelo lançamento de uma equipe de paraquedistas.

Mudinho”: Figura histórica dentro do Núcleo da Divisão Aeroterrestre. Civil que fazia muitos serviços dentro dos quartéis paraquedistas, mas que de tanto ser testemunha dos vários cursos na Área de Estágios, se especializou em barra e flexões, acompanhando muitos militares nesses exercícios; e, diz a lenda, saltava de torres, chegando, em certa ocasião, ser lançado de uma aeronave.

Musa Rediviva”: Livro de sonetos do Cap Pqdt Edson Xavier de Almeida, que é um dos melhores sonetista brasileiros, pela métrica perfeita, pelo rigor formal e pelo lirismo de seus poemas.

“Na rota”: Expressão de alguém quando é perguntado. É o mesmo que: “Vamos embora!”.

“Negativo”: Forma militar de se dizer não.

“Nem com a guarda em forma!”: Intransigência: não vou fazer nem...

“Nestor Penha Brasil”: Primeiro comandante da Tropa Paraquedista Brasileira: 26 de dezembro de 1945 a 11 de fevereiro de 1955. Faleceu em 1964
  
“Ninho das águias”: Denominação dos aquartelamentos de paraquedistas militares  brasileiros.

Ninho das Águias”: Cadeia do antigo RSD. Ex. Tu estás pedindo pra cair no ninho das águias, soldado!

“Ninja”: Sujeito que vive sumindo e se esquivando de qualquer tarefa.

“Niki”: Cão Pqdt brevetado em 1965.

“Nome de guerra”: Nome pelo qual um militar escolhe para ser chamado pelos seus companheiros de farda. A expressão que designa o nome pelo qual alguém se torna conhecido surgiu em tempos de guerra na França, por volta do século XVII. Primordialmente, o nome de guerra servia para ocultar a identidade dos soldados que porventura fossem capturados por inimigos.

“Núcleo da Divisão Aeroterrestre”: Era a denominação geral das unidades paraquedistas. Agora passou a chamar-se Brigada de Infantaria Paraquedista.

“Objetivos Finais”: Áreas que, pela sua importância, motivam uma força a se lançar sobre o adversário, avançando paulatinamente, a fim de conquistá-las. A sua posse caracteriza o cumprimento da missão.

“Obuses”: O mesmo que canhões.

“Oficial-de-Brigada”: Oficial encarregado de fazer a ronda e responsável pela prontidão das OM.

“Oficial-de-dia”: Oficial responsável pelas atividades inerentes ao bom andamento das ações e atividades dentro do quartel.

“Oficial-de-ligação”: Oficial que, na Brigada Paraquedista, tinha acesso aos assuntos entre nossa Unidade e a FAB.

“OM”: Organização Militar.

Operações aeroterrestres”: Ações cuja principal característica é a participação de tropas que se deslocam até o local do combate por meios aéreos, sendo lançadas de paraquedas, assim como seus armamentos pesados e suprimentos.

Operações de junção”: É uma operação que envolve a ação de duas forças terrestres amigas que buscam o contato físico; pode ser realizada entre uma força em deslocamento e uma outra estacionária, ou entre duas forças em movimentos convergentes. Tal encontro pode ocorrer em operações aeroterrestres ou aeromóveis, na substituição de uma força isolada, num ataque para juntar-se a força de infiltração, na ruptura do cerco a uma força, no auxílio a uma força dividida, na convergência de forças independentes ou no encontro com forças de guerrilhas amigas.

Operações de transposição de cursos d´água”: Ações militares realizadas através de rios de vulto, onde as forças oponentes aproveitam a margem oposta para oferecer resistência e impedir a travessia.

Operações ofensivas”: Compreendem todo tipo de movimento ou investida realizados em direção a uma força adversária, com o propósito de destruí-las e conquistar áreas importantes.

Op Psc”: Curso ministrado pelo Centro de Instrução de Operação Especial, que tem como objetivo formar militares que tem como finalidades: o curso de oficiais que os habilita em planejamento e execução de Operações Psicológicas, constando, no currículo, os assuntos: Propaganda e Contrapropaganda, Negociação, Gerenciamento de Crises, Relações Internacionais, dentre outros. O curso de subtenentes e sargentos forma o sargento-especialista em Op Psc, o capacitando em Graficoweb ou Fotocine.

Oração Paraquedista”: Oração encontrada no bolso de um militar francês, e hoje adotada em algumas tropas paraquedistas.

Ordenança”: Soldado às ordens de uma autoridade militar, quase sempre de um general.

Ordinário, marche”: Termo militar para que o comandante da tropa dê inicio a uma marcha cadenciada.

Os Cometas”: Equipe de Salto Livre da Brigada Pqdt, detentora de vários prêmios nacionais e internacionais, a nata de militares saltadores livres do Brasil.

Oto Melara”: Tipo de Canhão de 105mm de fabricação italiana que é hoje utilizado no 8° GAC Pqdt.

O tiro saiu pela culatra”: Quando se tenta fazer alguma coisa e acontece outra.

Pacóvio”: Termo pejorativo para estúpido, o mesmo que bisonho.

Padioleiro”: Militar que, no campo de batalha, é encarregado, muitas vezes sob o fogo inimigo, resgatar os militares feridos para serem transportados em padiola, sendo evacuados para os postos médicos avançados.

Padrão”: Muito bom, gabarito.

"Pagar a comida": Termo usado para que alguém, na verdade, servir a comida. Quando o efetivo do rancho não tinha gente suficiente para atender todos os soldados. Designava-se, aleatoriamente, alguém para "pagar a comida".

Paga dez cangas”: Quando um recruta fazia algo errado, o instrutor mandava-o pagar dez (ou 20) cangurus. Veja o verbete “Canguru”.

Pagar embuste”: Contar vantagem, mentir sobre situação que enalteçam o locutor, mas que não são verdades.

Pagar a missão”: Executar a missão, aceitar o desafio proposto.

Pagar uma completa”: Quando um recruta dava uma grande mancada, o instrutor o mandava pagar uma completa de 10, 20, 30... (Cangurus, flexões e pulos-de-galo), e outro instrutor pedia atrás: e mais 10, 20, 30... para mim também!

Paisanagem”: Termo pejorativo para designar que determinada atitude é mais típica de paisano, de civil do que do meio militar.

Palitinho”: Como os instrutores chamavam os toros da Área de Estágios.

Papirar ou papirando”: Militar que está estudando: “Estou papirando para passar nas provas da AMAN.”, vem, é claro, da palavra papiro.

Papo-amarelo”: Colete salva-vidas de cortiça amarela utilizado, antigamente, em saltos sobre o mar.

Para-Sar”: Paraquedistas de Grupo e Salvamento e Ações Táticas da FAB, que fazem o curso de paraquedista militar e de salto livre no C Inst Pqdt GPB.

Parachute rigger”: Denominação americana do Curso de Dobragem, Manutenção de Paraquedas e Suprimento pelo Ar.

Parlapatão”: O mesmo que sujeito embusteiro, contador de vantagens.

Passeio do jacaré”: Exercício de corda da Área de Estágios onde o recruta atravessa um tanque com água agarrando uma corda que está o meio, qualquer descuido, cai-se na água.

Passeio do Tarzã”: Várias cordas penduradas uma na frente da outra, e o recruta tinha que avançar pegando uma após outra até chegar ao final do percurso.

Pasta Kolynos”: Oficial superior com ECEME (na manga da túnica há um emblema que parece com o símbolo da pasta Kolynos).

Patrulha”: Tropa de reconhecimento.

Pau-de-fogo”: Fuzis antigos de madeira e ferrolho M1, já desativados, mas que servem para que o aluno faça manobras no TIBC, sem atirar com eles, obviamente. Nome também dado ao mosquetão.

Pavão”: Pqdt todo bem vestidinho, boot hiperbrilhando, uniforme, boina, barba impecável, etc... mas na hora do "pega pra capar", o cara não era um Pqdt de fibra ou garra.

Pavilhão”: A Bandeira Nacional

Pedir arrego”: Pedir ajuda, o mesmo que desistir.

Peixe”: Militar que é protegido por outro militar mais antigo.

Pejota”: Pensão Judicial (PJ), é uma facada mensal no contracheque do militar, em favor da ex-esposa ou ex-companheira.

Peixada”: Acochambrada, ou militar apadrinhado de algum superior.

Pé-de-banha”: Rancheiro, aquele que trabalha no rancho.

Pé-de-poeira”: Militar de Infantaria, o mesmo que infante.

Pé-de-pombo”: Denominação dada a paraquedistas.

Pela testa, começar”: Termo de comando para se iniciar uma canção.

Pelotão”: Cada uma das três partes em que se divide uma Companhia. Quem o comanda é um tenente.

Pé Pretal”: Um montão de pés pretos juntos.

Pé-preto”, “Pé-de-urubu”, “Pé-de-cão”: Expressões para se referir a militares que usam coturnos pretos, que não são paraquedistas.

Pé-vermelho”: Como os paraquedistas são denominados por usarem coturno vermelho.

Pequedezada”: Grupo de paraquedistas.

Percevejo”: Quem dorme e come constantemente no quartel. Geralmente eram Pqdts de outros estados brasileiros, principalmente os gaúchos, que praticamente moravam nos Batalhões.

Perdeu a passagem”: Alusão ao avião na ZL, esqueceu, fez confusão.

Perdeu o azimute”: Significa que está desorientado.

Periquito”: Paraquedas com as cores da bandeira do Brasil usada em ocasião em que o Pqdt desse o salto de número oitenta (80).

Pernoite”: Circunstância na qual o praça passa a noite dentro do quartel até o dia seguinte.

Perrengue”: Na linguagem dos pqdts cariocas, grande susto que ocorre dentro de uma aeronave. Leia, neste Almanaque, “Um perengue no salto”.

Peruar”: Conseguir, obter, apanhar, oferecer-se para determinada missão, geralmente saltar de uma aeronave.

Peru-de-salto”: Pqdts (soldados, cabos, sargentos...) que viviam pedindo para serem escalados para saltar só pelo prazer da aventura.

Petardo”: Artefato explosivo militar.

Pica-Fumo”: Diz respeito, principalmente, a oficiais do QAO (Quadro de Auxiliar de Oficial), ainda na Ativa ou até mesmo fora dela.

Pijama de louco”: ceroula de inverno que os antigos pqdts recebiam para se proteger do frio.

Pioneiros”: Como são chamados os primeiros quarenta e sete paraquedista brasileiros formados em Fort Benning, USA.

Piloto”: Foi o primeiro cão da raça pastor alemão a se tornar paraquedista no Brasil, em 1951. Foi doado ao Núcleo da Divisão Aeroterrestre pela família Mazza, de Pelotas, Rio Grande do Sul. Morreu de pneumonia em 1954, foi empalhado e está no Museu Aeroterrestre.

Piloto”: Paraquedas pequeno utilizado principalmente em salto livre. Ele extrai o velame do paraquedas principal para a sua abertura.

Pino”: Utensílio especial, na nossa Brigada, criado pelo Pioneiro Scepaniuk, que, inserido em um orifício no gancho da fita do paraquedas, impedia do mesmo abrir e causar acidentes como antes já aconteceram.

Pista de corda com Sandra Bréa”: Macarrão com galinha. Esta é do tempo em que a artista ainda estava viva e namorava todo mundo.

Placa Base”: Nome dado a bandeja a qual serve a comida as praças no rancho

Plaqueta de Pqdt”: Plaquetas muito usadas a partir da década de 70, TAG DOG, que são plaquetas com correntes na qual constavam o nome, o número de pqdt e o tipo sanguíneo do militar.

Polichinelo”: Movimento muito difundido em todos os exercícios físicos na Brigada Pqdt, que consiste em bater as mãos acima da cabeça, coordenando com os pés em forma sincronizada de toda a tropa.

Ponto 30”: Metralhadora média ou 30 polegadas, carregadas com fita e é utilizada em frações de infantes paraquedistas, tanto a pé como em viaturas.

Ponto 50”: Metralhadora Pesada Browning de calibe12, 7 mm ou 50 polegadas, carregadas com fita e é utilizada em frações de infantes paraquedistas, tanto a pé como em viaturas.

Porta”: Abertura de saída lateral em uma aeronave para saltos de paraquedistas.

Posições de retardamento”: Regiões ocupadas pelas tropas que executam uma ação retardadora. Normalmente, constituem-se em morros, colinas ou outras elevações, por oferecerem, a seus ocupantes, uma posição privilegiada em relação ao adversário.

Positivo”: Forma militar para se dizer sim.

PQD”: (PEQUEDÊ) Sigla popular de paraquedista.

Pqdt” (ou Pqdts) sigla gramatical de paraquedista(s).

Praça”: O mesmo que soldado, militar devidamente incorporado ao meio militar, excluindo os oficiais.

Praça mais distinta”: Distintivo honorífico conferido à praça que mais se destaca em determinado ano de serviço

Prec”: Abreviatura de Precursor. Maneira comum como eles são chamados.

Precursor”: Elemento que tem como missão preceder e guiar os lançamentos de paraquedistas. São os primeiros a chegarem à Zona de Combate onde estabelecem a ZL, coordenando, junto às aeronaves que farão os saltos, todos os procedimentos para a missão. Podem se infiltrar de várias maneiras para a missão, saltando em gancho, livre, mergulho subaquático, a pé ou motorizado. São capazes de sobreviverem atrás das linhas inimigas e têm característica em sua indumentária: o famoso gorro vermelho com a tocha alada.

Pregar moral de cueca”: Querendo moralizar estando no erro.

Preguiça”: Exercício da Área de Estágios onde o recruta caminha abaixo de uma corda com o auxilia das pernas e das mãos.

Preparar, levantar, enganchar, verificar equipamento, contar, à porta! Já!”: Comandos obrigatórios ordenados pelo MS à equipe de paraquedistas que estão na aeronave prestes a realizar o salto.

Prestar continência”: Gesto de saudar autoridades ou superiores.

Primeiro acidente com Pqdts”: No dia 10 de outubro de 1950, na ZL de Gramacho, o paraquedas do Sgt João Alves Diniz, Pqdt 234, encharutou caindo em cima do paraquedas (aberto) do Cabo Paulo Wilhelm Neto, Pqdt 302, ocasionando a morte dos dois.

Pronto”: Forma militar para se dizer presente, ou que se está, em uma aeronave, devidamente checado para saltar.

Pulo de Galo”: Exercício e castigo comum aos pqdts. Servia, principalmente, para fortalecer os tornozelos.

Pular”: Pular não! Quem pula é sapo, rã ou perereca; pqdt salta!

Puta Francesa”: O soldado Pqdt visto, invejosamente, pelo pé-preto enciumado com a elegância irresistível da sua boina.

Puxar hora”: Cumprimento do período de duas horas de serviço no qual o militar passa a guarda.

QAO”: O Quadro Auxiliar de Oficiais (QAO) é formado por militares que atingiram o oficialato após uma carreira como sargentos e subtenentes. Ascendendo ao posto de 2º tenente por merecimento, poderão continuar até capitão. Por seu valor e experiência na Força, desempenham funções de chefia, de assessoramento e de confiança nas organizações militares.

QAP”: Significa a resposta: “Pronto e na Escuta”.
  
QAP QRV”: O mesmo que estar na escuta e à disposição.

QCO”: O Quadro Complementar de Oficiais (QCO) é composto por oficiais com curso superior, realizado em universidades civis, em diferentes áreas do conhecimento e especializações técnicas necessárias ao Exército. Esses oficiais são formados na Escola de Administração do Exército, que matricula anualmente quase uma centena de alunos.

QEM”: O Quadro de Engenheiros Militares (QEM) é formado pelos oficiais que cursaram o Instituto Militar de Engenharia. Possui diversas especialidades como: cartografia, computação, comunicações, eletricidade, eletrônica, fortificação e construção, materiais, mecânica de automóvel, armamento e química. O oficial do QEM realiza trabalhos técnicos, dentro de suas especialidades, em diversos órgãos e instituições.

QM Amparada”: Qualificação Militar (curso), Corneteiro, Taifeiro. QM: Qualificação Militar: exemplos: 007 infante, 05024 Pontoneiro.

QSL”: O mesmo que “entendido”.

QTS”: Quadro de Trabalho Semanal.

Quarenta e cinco”: Pistola M 1911 da Colt de calibe 45, muito usado dentro das nossas Forças Armadas até o advento da Pistola 9mm Imbel e depois Beretta.

Quebra-culhão”: Equipamento suspenso da Área de Estágios em que se aprendia a controlar os tirantes laterais de um paraquedas. Como se ficava muito tempo nesse equipamento, e se ele fosse mal-colocado, apertava os testículos do aluno causando uma dor insuportável. Na frente, havia um tablado de madeira, quem não agüentasse o tranco, colocava os pés nele e era automaticamente desligado do curso.

Queda Livre”: Ação do paraquedista que se lança de uma aeronave em salto livre.

Que militar Caxias!”: Termo usado para designar o militar que levava o RDE a suas últimas conseqüências. Alusão ao patrono do Exército: Duque de Caxias.

Quebra o meu galho?”: Pedido que se fazia aos sargentos para que desse uma dispensa ou aliviada em alguma coisa. A resposta era sempre assim: “Quem quebra galho é macaco gordo, vento forte ou mulher da zona!”.

Queimar a moita”: O mesmo que efetuar uma denúncia

Quem deve paga na hora”: Sempre que um recruta Pqdt fazia alguma coisa errada, pagava o castigo na hora, ninguém deixava para depois. È muito aplicada, normalmente, na Área de Estágios.

Quem sabe escrever bem à mão?”: Pergunta feita aos recrutas nos primeiros dias de apresentação em suas unidades. Que respondesse: Eu! Quem havia perguntado dizia sempre esta frase: “Então pega aquela vassoura e vá varrer o pátio!”

Quem sabe escrever à maquina?”: Pergunta que se fazia quando queria que algum voluntário levantasse a mão, então ele era escalado para pegar numa vassoura e fazer uma faxina.

Quem refresca cu de pato é lagoa.”: Resposta dada por alguns instrutores, quando, numa ginástica forte ou numa corrida longa, pedia-se que o sargento desse um refresco.

Quer moleza? Então senta no colo do Sub!”: Frase empregada quando o militar fazia corpo-mole em qualquer tarefa.

Rabo de turma”: Denominação usada no meio castrense para aqueles que se encontram no último quarto de sua turma de formação.

Ração”: Aprovisionamento ou o alimento do militar.

Ralar”: Esforço ao máximo para o cumprimento de uma tarefa.

Rame-rame”: O mesmo que básico, simples, fácil de ser cumprido ou entendido.

Rampa”: Abertura de saída por trás de uma aeronave para saltos de paraquedistas

Rancho”: Refeitório dos militares.

RASC”: Segundo paraquedas para saltos de cães utilizado na Brigada de Infantaria Pqdt.

Rcont”: Regulamento de Continências Militares do Exército.

RDE”: Regulamento Disciplinar do Exército R4.

Reco”: Designação para o recruta.

Reco-mor”: Nome dado ao Cabo do Efetivo Variável.

Repone”: Reunião de porra nenhuma, normalmente feita para os militares levar uma mijada do comandante.

R-Quero”: Regulamento com apenas um artigo “Artigo 1º / Faça o Que o Superior Ordena”. Termo usado quando uma ordem não tem embasamento em Regulamento, e sim na vontade (querer) do superior que deu a ordem ou tomou a decisão.

Revista”: Inspeção à tropa.

R1 Oficial ou Sargento R1”: Oficial ou Sargento de carreira que passam, após longo tempo de serviço, para a reserva remunerada.

R2 Oficial ou Sargento R2”: Oficial oriundo do CPOR ou Sargento que faz o curso e se integra ao contingente variável.

Rebuceteio”: O mesmo que Rebu ou Tocar Rebu: confusão, grande confusão, arruaça, lambança, gritaria, briga. (Veja “Tocou horror” e “Tocou rebu”).

Rec-fitas”: Significa recolhedor de fitas. Geralmente era o Auxiliar do MS que comandava o recolhimento das fitas e suas respectivas bolsas aos seus auxiliares.

Reco”: O mesmo que milico, diminutivo de recruta.

Rede de abordagem”: Aparelho de cordas trançadas como rede, na qual o militar, na Área de Estágios, sobe a uma altura considerável e depois faz a descida.

Regimento”: Corpo de tropas composta por batalhões sob o comando de um coronel.

Regimento Santos Dumont”: RSD - Antiga grande unidade de infantaria paraquedista. Agora em seu lugar há três batalhões: 25°, 26° e 27° Batalhão de Infantaria Paraquedista. O recruta serve no 25° e no 27° e incorpora no 26°, que se tornou um batalhão só de profissionais, podendo atuar a qualquer momento com efetivo completo e bem treinado.
  
Relaxa posição”: Ficar à vontade no mesmo lugar, sem sair da mesma posição, aguardando novas ordens.

REO”: Caminhão (GMC) coberto por lona que transportava os Pqdts ao Campo dos Afonsos para saírem para seus saltos. REO, na verdade, é uma sigla do nome do gerente do projeto do caminhão, que era: Ramson Eli Olds.

Reserva”: Paraquedas auxiliar de emergência que todo Pqdt carrega na altura da barriga para ser acionado em caso de emergência.

Rigger”: Como é denominado o curso de dobradores de paraquedas no USA. Os nossos Dompsas têm sua origem nesse curso.

RISG”: Regulamento Interno de Serviços Gerais R1.

Roberto Fernandes da Costa”: É o primeiro candidato a Pqdt falecido (afogado) no Brasil, em 15 de setembro de 1950.

ROCO”: Regulamento de Ordem e Contra Ordem. Quando um superior dava uma ordem contrária do RDE.

Roberto de Pessôa”: Pqdt n° 1 – foi o primeiro brasileiro a fazer o curso de paraquedista nos Estados Unidos. No dia 25 de fevereiro deste ano, ele completou 98 anos e, constantemente, vai a eventos ligados à Brigada de Infantaria Pqdt.

Rosa Maria”: Moça muito bonita que trabalhava numa pensão em Marechal Hermes, na frente da qual os Pqdts passavam correndo, cantando uma música na qual a homenageavam. Daí surgiu um hino: “Irmãos do Condor”, de autoria do Cel Pqdt Paulo Altemburg Brasil e do Cel Pqdt Dickson Melges Grael, em cuja letra aparece o seu nome. Atualmente, é o segundo hino mais cantado na Brigada de Infantaria Paraquedista.

RSD”: Nomenclatura do Regimento Santos Dumont, onde hoje estão o 25º, o 26º e o 27º Batalhão de Infantaria Paraquedista.

RUE”: Regulamento de Uniformes do Exército.

S1 E1 G1”: Oficial encarregado da área de Pessoal, sendo S em nível de Coronel TC e Major, E em nível de General e G em nível de comando do Exército.

S2 E2 G2”: Oficial encarregado da área de Informações e Operação, sendo S em nível de Coronel TC e Major, E em nível de General e G em nível de comando do Exército.

S3 E3 G3”: Oficial encarregado da área de Instrução, sendo S em nível de Coronel TC e Major, E em nível de General e G em nível de comando do Exército.

S4 E4 G4”: Oficial encarregado da área Administrativa da unidade, sendo S em nível de Coronel TC e Major, E em nível de General e G em nível de comando do Exército.

S5 E5 G5”: Oficial encarregado da área de Relações Públicas da unidade, sendo S em nível de Coronel TC e Major, E em nível de General e G em nível de comando do Exército.

S 1 16 Albatroz”: Aeronave anfíbia de fabricação norte-americana utilizada em operações especiais de paraquedistas nas décadas de 60 e 70, principalmente na região amazônica.

Saci”: Nome de uma operação aeroterrestre que por muitos anos mobilizou as tropas aeroterrestre.
  
Saci”: Símbolo da insígnia de aluno melhor colocado no SIEsp (Seção de Instrução Especializada) na AMAN.

Safo”: Militar esperto, com muita experiência nas lidas militares.

Sai debaixo”: Filme brasileiro de 1956, com Fred e Carequinha, que retratava a vida de dois palhaços que resolvem ser paraquedistas.

Saltar mais um gancho”: Dar mais um salto com um paraquedas semi-automático.

Salto de argola”: Como era chamado na gíria paraquedista dos anos 50 o salto comandado em que a abertura do paraquedas se processa  por ação do homem ao invés de ser acionado automaticamente pela fita de abertura.

Salto Livre”: Salto realizado a grande altura por paraquedistas especializados e bem treinados. Nesse salto, o pqdt comanda ele próprio a abertura de seu paraquedas através de um punho.

Salto Livre Operacional”: Salto livre de alta altitude, com o militar totalmente equipado e pronto para infiltração em terreno inimigo. O primeiro no Brasil foi realizado em 27 de fevereiro 1962 pelo Sargento Precursor Ly Adorno, Pqdt 503.

Salto em massa”: Salto de um grande número de paraquedistas sobre uma ZL, como no caso de uma manobra militar.

Salto tríplice”: Modalidade de salto livre realizado pela equipe de salto livre da Brigada Pqdt.

Santo Sudário”: Termo pejorativo para o lençol de cama do militar, manchado de suor, sujeira e, às vezes, com algumas gotas de sangue.

São Miguel Arcanjo”: Padroeiro dos paraquedistas brasileiros. Ao lado do QG da Brigada Pqdt, existe uma capelinha em honra ao nosso Anjo Protetor.

Saltar – Lutar – Disciplinar”: Lema do 36° Pelotão de Polícia do Exército Paraquedista;

Salto Noturno”: Salto realizado à noite. É muito mais perigoso que o salto realizado ao dia pela falta de visibilidade ao aterrar.

Sapão”: Nome dado ao avião C-82, que entrou em serviço em 20 de setembro de 1955 e foi desativado em 19 de abril de 1968.

SAREx”: O Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREx) é formado por ministros das religiões católica e evangélica. Os padres e pastores integram o Quadro de Capelães Militares, após um estágio de adaptação iniciado na Escola de Administração do Exército e concluído em diversas organizações militares. Iniciando a carreira como 2º tenente, podem atingir até o posto de coronel.

Sargentão”: Atribuído ao sargento mais antigo na graduação.

Sargento ou Cabo-de-dia”: Militares encarregados nos afazeres do dia a dia do quartel, alojamentos, rancho, faxina.

Sargento ou Cabo da Guarda”: Militares que são encarregados da guarda, boa missão no portão e proteção do aquartelamento.

Sargento/Tenente Matarrindo”: Figura criada para designar o militar que exigia o máximo de esforço físico dos soldados na ginástica calistênica.

Sarico”: Nome indígena de Tadeu Sarico da Cunha, Pqdt n° 9789, que foi o primeiro índio brasileiro a se formar Paraquedista Militar, em 1962.

Seção de toros”: Exercício físico realizado na Área de Estágios, onde vários grupamentos de cinco alunos levantam, abaixam e fazem manobras com um poste de mais ou menos 50k.

SD 1 e SD 2 Sky Diver”: Primeiros paraquedas especialmente destinados a salto livre no ano de 1960. Antes era utilizado, arrojadamente, os paraquedas T7 E T10 adaptados.

SDRR”: “Suspensão de Dispensa da Revista de Recolher”, punição branda que impede o militar punido de deixar a guarnição no pernoite.

Senha”: Palavra ou frase que uma sentinela deve pedir ao ronda. Muda conforme mudam os turnos de serviço.

Ser Pára-quedista – 50 anos de Pára-quedismo Militar no Brasil”: Livro lançado em 1995, de autoria do Cap Ly Adorno. É o primeiro livro contando as histórias de personagens, fatos históricos e o nome e o número de mais de 60 mil paraquedistas brevetados no Brasil.

Serra de Madureira”: Campo de Instrução onde eram realizados, na década de 70, os TIBC. Seu acesso era pela cidade de Mesquita, na Baixada Fluminense, lugar muito lindo por sua natureza com uma vasta vegetação da Mata Atlântica e diversas cachoeiras e animais silvestres. Mas um inferno para os alunos que lá ralaram durante cinco dias e cinco noites ininterruptas, com fome, frio, realizando exercícios de sobrevivência na selva, a tiros reais, fuga e evasão.

Selva!”: Grito de guerra do combatente de selva.

Seu Moreira”: Com a sua carrocinha de doces e salgados, vendia a sua mercadoria aos Pqdts defronte à Área de Estágios. Começou em 1964, encerrando as suas atividades em 1993. Nesse mesmo ano, a sua carrocinha foi lançada e, cinco dias depois, brevetada. Seu Moreira morreu em 1999. A sua carrocinha está no Museu Aeroterrestre. (Leia o capítulo “Túnel do tempo”).

SIESP”: Seção de Instrução Especializada, praticada em academias e centro de instruções militares.

Sim Senhor! Não Senhor! Quero ir embora!”: As Três únicas frases que um aluno Pé-preto tem direito de dizer dentro da Área de Estágios.

Si vis pacem para bellum”: É uma locução latina que quer dizer: “Se queres a paz, prepara a guerra”. Foi escrita pelo autor romano Publius Flavius Vegetius Renatus. A locução é uma de muitas provenientes do seu livro "Epitoma rei Militaris", que foi provavelmente escrito no ano 390 d.C. Esta frase também foi usada como moto pelo fabricante alemão de armas Deutsche Waffen und Munitionsfabriken e é a origem da palavra Parabellum, usada em inglês para designar armas de fogo e munições.

Smurffs”: Como são chamados, hoje em dia, os instrutores especializados da Área dos Estágios. Antigamente, sargentos e oficiais de todos os quartéis paraquedistas eram designados a serem instrutores na Área. Hoje em dia, somente este pessoal do Centro de Instrução Pqdt General Penha Brasil tem essa missão. Como usam um gorro azul, parecido com o desenho Smurff, assim ficou.

Sniper”: Atirador de elite, o mesmo que franco atirador ou tocaieiro.

Soares”: (Antônio) Fotógrafo que foi Pqdt 5500, do 1959/3, e que tinha o seu estúdio no antigo RSD. Batia fotos de todos os acontecimentos da vida dos pqdts, desde a sua entrada num avião, sua aterragem, sua formatura, atuação em manobras, etc. Todas as fotos das Revistas do Regimento Santos Dumont dos 60, 70, foram feitas por ele.

Socorrista Pqdt”: Novo Curso ministrado pelo Cia Pqdt GPB para militares, não só do Destacamento de Saúde, mas para outros elementos dentro das unidades paraquedistas que são preparados para intervirem, como pára-médicos, em situações de emergência médica em qualquer terreno, calamidades ou ações militares.

Solo de Bombo”: Conhecido nas bandas militares de música como o Dobrado Nacional.

Soldo”: Vencimento do militar.

“Sonda”: Nos primórdios, um homem saltava na altura de lançamento, sobre um ponto de referência no solo, e, da porta do avião, era observado o desvio que sofria com o paraquedas aberto entre o ponto em que saíra e aquele em que aterrara. Este homem era “O SONDA”.

Sopa de gandola”: Sopa de ervilha servida no rancho.

Sugar”: Abusar do esforço físico, exagerar e cobrar algo em demasia.

Volta ao Mundo”: Corridinha básica, realizada entre os aquartelamentos paraquedistas, se dirigia para Realengo, voltava para Deodoro, entrava por Marechal Hermes, Campo dos Afonsos, e retornava pela Colina Longa. (Depois de formado Pqdt, era uma moleza, mas logo que se entrava como conscrito era um inferno!).

T”: Painéis para identificação que são estendidas em forma da letra T, na ZL, pelo Destacamento Precursor e deverá ser visto pelo MS da aeronave, que lançará a tropa paraquedista.

TAF”: Teste de Aptidão Física.

Taifeiro”: Militar encarregado, normalmente, de serviços de restaurante (cozinheiro, garçom, copeiro). Este termo é originário da Marinha do Brasil.

Tanden”: Modalidade de salto livre realizado na Brigada Pqdt, cujo idealizador foi o Pqdt 2088, Caribê Lemos Monte Santo.

Tá se abrindo pra mim por quê?”: Pergunta que os instrutores faziam a quem estivesse rindo. Como resposta ele dizia sempre esta frase: “Só o que se abre pra mim é paraquedas e mulher!”

Tá osso!”: O mesmo que “Está difícil!”.

Tá voando?”: Pergunta que se faz ao militar que quer dar uma de esperto e foge de alguma atividade.

Tapiri”: Cobertura feita de folhas ou vegetação para proteção de chuva ou sol no meio da mata.

Tapuru”: Denomina-se "tapuru", na linguagem cabocla da região amazônica, o estágio larvário de um animal invertebrado, encontrado no interior dos cocos de algumas palmáceas da região Norte e Nordeste do Brasil, como o dendê, a piaçava, o licuri, o inajá e o babaçu. O conhecimento de sua utilização, como fonte de alimento, foi herdado pelo caboclo e pelo combatente de selva, do costume tradicional indígena das tribos parakanã, tiriyo, tucano e yanomani, onde é consumido em grande escala e conhecido, também, com a denominação de naatanga.

Tatu”: Como jocosamente o pessoal da infantaria chama o pessoal da engenharia.

TFM”: Treinamento Físico Militar, bateria de exercícios físicos dados à tropa por um instrutor.

TFMC”: Treinamento Físico Militar Centralizado, oriundo, exclusivamente, da Bda Inf Pqdt, dado pelo General Comandante a todos os elementos e unidades paraquedistas em um momento só, e com a tropa toda reunida.

Televisão”: Quadrado de madeira da Área de Estágio onde o recruta que não estivesse mais agüentado o tranco, pedisse, voluntariamente, o seu desligamento do curso.

Tenente de Festim”: Designação para os Oficiais R2 que servem na tropa, para sargentos temporários é “Sargento de Festim”.

Terça-feira”: Para um civil, ou qualquer outro militar não Pqdt, é apenas um dia qualquer da semana, mas para nós, Paraquedistas, é sempre o dia tradicional para o primeiro salto, pois na segunda, foi realizado o TSA (Teste de Saída da Área), e quem passou, agora nesta terça mágica, poderá enfim sentir o cheiro das nuvens .

Terceirão, Segundão, Primeirão e Subão”: Militares bem antigos.

TEsOp”: Treinamento Especifico Operacional - estágio de salto livre para cabos e soldados pertencentes ao Batalhão de Forças Especiais.

Tira-prosa”: Aparelho da Área de Estágios que consistia em uma lata de leite ninho, recheada de cimento com uma cordinha instalada no meio, que era ligado a um carretel para ser manuseado para cima e para baixo (uns 3 quilos era o peso).

Tirar serviço”: Estar de plantão em determinado posto, mesmo que cumprir ou efetuar serviço.

Tocha Alada”: Símbolo dos Precursores brasileiros e derivado do mesmo distintivo dos Pathfinders americanos

Tocou barata voa”: Era como dizíamos sempre que a maioria dos oficiais do QG puxava o carro mais cedo. (QG do Núcleo da Divisão Aeroterrestre, como era chamada a Brigada de Infantaria Paraquedista na sua gloriosa infância vivida na Colina Longa).

Tocou horror”: Quando alguma coisa trágica acontecia no quartel.

Tocou rebu”: O mesmo significado acima.

Tocou Zaralho”: Tocou horror, tocou rebu, deu merda...

Thompson”: Submetralhadora americana de calibre 45 usada até a chegada das nacionais INA.

Tombado”: Condição de quem perdeu a vida em serviço ou no cumprimento do dever.

T.O.”: Teatro de Operações. Local onde ocorrem os combates em uma guerra.

Toque de Alvorada”: Toque de corneta na primeira hora da manhã, dando iniciadas as atividades do dia.

Torar”: Dormir.

Toros”: Troncos de madeira, geralmente eucalipto, para oito homens fazerem, alternadamente, exercícios o para fortalecimento de várias partes do corpo.

Tri Leg Dive”: Formação de 3 saltadores da Equipe de Salto Livro da Brigada.

Trole”: Equipamento que era preso ao instruendo para saltar da torre, e ser devolvido a outro recruta para fazer o mesmo procedimento.

Trole! Trole! Correndo pé-preto! Correndo pé-cão!”: Grito que os recrutas faziam aos que acabavam de saltar da torre para voltarem correndo com os troles até a porta da torre para outros fazerem o mesmo.

TSA”: Teste de Saída da Área, este é definitivo e eliminatório para os alunos dentro da Área de Estágios, todos os índices devem ser atingidos e quem por ele fracassar, não sai paraquedista.

Tuberculose”: Quando da necessidade de abrir o paraquedas de emergência, estando o paraquedista de frente para o solo, a pressão impede que o mesmo saia do seu invólucro. Procurar girar o corpo.

Turno”: Como é conhecido o ano em que o militar paraquedista fez a Área de Estágios. Exemplo: Turno 58/1, significa que foi o Curso Básico no Ano de 1958 subturno 1.

TVF”: Teste de Verificação Física, constantemente feito a todos os alunos dentro da Área de Estágios. Serve para acompanhar o desempenho físico de cada instruendo para atingir os índices necessários para se formar no curso de Pqdt.

T-7”: Paraquedas usado nos anos 40 e começo dos anos 50.

T-10 e T-10A”: Paraquedas usados depois da metade dos anos 50. A diferença entre os dois era a cor do tirante: T-10 = verde, T-10A amarelo.

T-10 AS”: Paraquedas de salvamento de homem preso à aeronave.

T-10C”: Paraquedas atual para lançamento da tropa.

T-10MC1-1C”: Paraquedas para lançamento de tropas especiais (Precursores).

Última forma”: Ordem para retroceder à ordem anterior.

UH 1”: Helicóptero de Transporte e Apoio de Fogo, de origem americana (famoso em cenas da guerra do Vietnã), muito usado pelas tropas aeroterrestres em atividades e missões na região amazônica e Xingu e Araguaia.

Um mil, dois mil, três, quatro mil...”: Contagem mental, equivalendo a quatro segundos, que os pqdts fazem esperando a abertura do paraquedas. Se não ela não ocorrer nesse pequeno espaço de tempo, é sinal de que algo grave está acontecendo. Nesse caso, a abertura do reserva se faz necessária.

Urubolino”: O Militar em quartel de Pqdt, que não se forma Pqdt e fica o tempo todo servindo de pé-preto.

Vaca”: Caminhão parecido com os que transportavam gado no Rio Grande do Sul, que levava os antigos Pqdts até a base Aérea do Afonsos, nos anos 50.

Vagão voador”: Como era chamado o avião C-119.

Vala”: Lugar ou situação ruim, o mesmo que Jangal: “Se Continuares assim, o comandante vai te mandar pra Vala...”.

“Vamos acertar atrás da Baiúca!”: Desafio que um soldado Pqdt fazia a outro, quando tinham alguma diferença para acertar, quase sempre na porrada, entre os dois.

“Vampirar”: É empregado para o pessoal que, após ir para a reserva, volta a ser contratado para trabalhar no EB.

“Vanderleia”: (no Ministério Funcionária), também significa frango (galinha).

Varejeira”: Mulher que tem envolvimento com vários militares ao mesmo tempo.

Vazado”: O mesmo que oco ou vazio, na tropa costuma-se dizer: “Estou com meu estômago vazado de fome!”.

Velame”: É o nome técnico para o nylon de um paraquedas.

“Vertical do Ponto”: Fabricante de equipamentos aeronáuticos e paraquedas militares, situada na Avenida Duque de Caxias, 600 – Vila Militar – Deodoro –RJ - Brasil

“Viatura”: Nome usado para os carros, camionetes e caminhões no meio militar.

Vila Militar”: Local onde se concentra as principais unidades militares no Rio de Janeiro, e onde o complexo paraquedista está instalado. Pertence ao bairro de Deodoro.

Viveiro dos periquitos”: Entre a 1ª Cia e a CPP1, do antigo RSD, havia um viveiro com periquitos multicoloridos que alegravam os olhos dos Pqdts. Atualmente, no local, não existe mais nada.

Voando”: Diz-se do militar que está ao léu, sem rumo, no mundo da lua.

Xerém”: Atual campo de instrução das tropas paraquedistas.

Xeque Mate”: Depois que o aluno completava com sucesso todas as etapas dentro da Área de Estágios e com o conceito MB, passava a próxima fase, ou seja, estava apto a saltar de uma aeronave, que o qualificará como Combatente Aeroterrestre.

Xerife”: Militar em uma fração (avião) que é o responsável pelo comando temporário desse grupo, podendo, de uma hora para outra, ser destituído.

Xerife”: Militar mais antigo na cadeia do antigo Regimento Santos Dumont, geralmente era um cabo, se algum estivesse preso.

XL Cloud”: Tipo de paraquedas de salto livre de asa mais moderna e de maior dirigibilidade.

Zeros”: Designação aos primeiros classificados e colocados de cada turma, uso corrente: “Os Zeros serão premiados após as palavras do comandante.”

ZL”: Nomenclatura muito conhecida por nós, Pqdts, mas o pessoal de fora não sabe que isso quer dizer. Zona de Lançamento.

ZP”: Zona de Pouso de aeronaves.

Com a colaboração dos seguintes Pqdts:

Com agradecimento especial a José Alfredo Stron Nunes
e a Ricardo Freire pelos acréscimos de novos termos e expressões.

E aos demais pqdts:

Jorge Arruda, Ávila, Celso Vieira, Clarival Vilaça, Domingos Gonçalves, Ly Adorno,
Nelson Santos, Nilo Moraes, Paulo Fagundes, Reginaldo Palazzo, JRodrigues,
Sérgio Chaves, Sérgio Mattos e Zilton Tadeu.