quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Um vigarista hábil



(Adaptação de Gibi)

Num bairro elegante de Sidney, Austrália, vivia Garret Ponsonley, homem de boa situação financeira, que todos julgavam bastante rico. Realmente a suposição era acertada, mas as fontes de renda de Ponsonley é que não eram muito normais.

Garret era um refinado vigarista que, sempre com habilidade, conseguia escapar à ação da polícia.

Vejamos um de seus golpes.

Num sábado, pouco depois do meio-dia, Ponsonley, impecavelmente vestido, entrou numa joalheria da rua Hunter. Queria comprar um anel para presente e escolheu um de 300 libras. Não tinha na hora a quantia necessária e, como era sábado, os bancos já estavam fechados. Diante disso, a loja aceitou um cheque.

Minutos depois, Garret entrou num restaurante próximo e pediu um almoço.

Quando o garçom veio com a comida, Ponsonley lhe fez a seguinte proposta:

– Ouça, – disse-lhe, mostrando o anel. Comprei este anel da Joalheria Safires há dez minutos por 300 libras e paguei com um cheque. Preciso de dinheiro imediatamente e vendo a você por 50 libras.

E botou a joia na mão do garçom.

– Examine. Veja se vale ou não o dinheiro.

O garçom compreendeu logo que o anel valia várias vezes a quantia que o freguês pedia.

– Como é? – insistiu Garret. – Eu preciso do dinheiro com urgência. Me dê 40 libras e fique com o anel.

– Já dou a resposta, – replicou o garçom, indo até a cozinha,

Lá, contou a história ao dono do restaurante, que imaginou logo tratar-se de um vigarista que tinha pago o anel com um cheque sem fundos. Resolveu imediatamente telefonar para a joalheria.

O joalheiro, alarmado com a possibilidade de perder a joia ou o dinheiro, comunicou-se com a polícia.

Quando chegou o detetive, o dono da joalheria, Senhor Parkinson, levou-o apressadamente ao restaurante onde Ponsonley almoçava. Acompanhados do garçom, dirigiram-se resolutamente à mesa onde ele continuava comendo tranquilamente.

– É esse o homem? – perguntou Parkinson exaltadíssimo ao garçom. – É este o homem que lhe quis vender por 40 libras o anel que comprou por 300, na minha joalheria, pagando com um cheque sem fundos?

– É este mesmo, - confirmou o garçom. – E tem o anel no bolso.

– Passe o anel para cá! – disse severamente Parkinson, dirigindo-se a Ponsonley.

Este, a princípio, ficou indignado, mas depois, parecendo perceber a inutilidade dos protestos e vendo-se apanhado em flagrante, na presença de testemunhas, não teve outro remédio. Tirou o anel do bolso e colocou-o na toalha.

– É este mesmo! – disse o proprietário da joalheria, entregando-o ao detetive.

O detetive voltou-se então para Ponsonley:

– O senhor nega o que disse ao garçom?

– Que foi que eu disse?

– Que comprou este anel por 300 libras na Joalheria Safires e lhe ofereceu à venda por 40.

– Claro que sim! – disse calmamente Garret. – Não nego isso.

– Então, perfeitamente! – declarou o Sr. Parkinson com firmeza. E virando-se para o detetive:

– Prenda este homem sob minha queixa e responsabilidade!

– Mas, prender por quê? – interrompeu Ponsonley. – Que foi que eu fiz?

– Você saberá na delegacia, – disse Parkinson.

Na chefatura, o dono da loja registrou a queixa e Ponsonley foi detido para ser levado ao tribunal na segunda-feira seguinte.

Na manhã desse dia, o proprietário da joalheria esperava seu advogado na sala do tribunal, quando Ponsonley pediu ao detetive que o deixasse falar com ele.

– Senhor Parkinson, lembrei-me agora de lhe fazer uma pequena pergunta, – disse Garret.

– Que é? – respondeu secamente o joalheiro.

– Uma coisa bem simples, – murmurou Ponsonley com um sorriso. – O senhor já mandou descontar o cheque?

– Não! – foi a resposta de Parkinson.

– Então?! Qual o motivo da minha prisão?

Parkinson ficou meio confuso e saiu à procura de seu advogado. Encontrou-o e contou-lhe a conversa com o acusado. O advogado aconselhou-o a dar um pulinho no banco.

No banco, Parkinson apresentou o cheque ao pagador, que nem foi verificar se o signatário tinha fundos. Perguntou logo:

– O senhor quer receber o dinheiro agora ou prefere que depositemos na sua conta?

– Como?! O cheque tem fundos?

– Claro! O Senhor Ponsonley é um de nossos melhores clientes e sua conta é excelente.

O joalheiro não quis receber o cheque. Colocou-o no bolso e foi falar com o advogado.

– E agora? Que papelão nós fizemos!

O advogado respondeu-lhe:

– Acho que foi tudo um golpe bem dado. E sabe o que pode vir daí? Um processo por detenção ilegal, acusação indevida, prejuízos morais etc. O assunto ainda pode lhe custar um bom dinheiro.

E custou mesmo. Parkinson teve de pagar a Ponsonley nada menos de 5.000 libras de indenização por tê-lo mandado prender.


    
(Texto do livro “Comunicação Interpretação”,
de Roberto Augusto Soares Leite,
Amaro Ventura Nunes e Rosa Erman – Companhia Edita Nacional)


Nenhum comentário:

Postar um comentário