terça-feira, 25 de março de 2014

Respostas cretinas para perguntas imbecis



Þ - Você está vendo tevê?
     (para uma mulher deitada vendo tevê)
     - Não, estou me bronzeando com esse novo tipo de lâmpada solar.

Þ - Está tricotando um cachecol?
     - Não, estou fazendo um tapete para um corredor estreito.

Þ - Você se machucou?
     (para um cara caído com a cara num poste)
    - Não! É que eu estou com um dente mole e estou tentando me livrar dele mergulhando minha cara      nas coisas.

Þ - Você tomou banho?
     (para um cara saindo de uma banheira)
     - Não, estava tentando me afogar na banheira, mas a água estava muito rasa.

Þ - Você está dançando?
     - Não! Estou me sacudindo desse jeito porque o banheiro está lotado.

Þ - Está fazendo exercício físico?
     (para um cara fazendo polichinelos numa academia)
     - Não, o ventilador pifou e estou ocupando o lugar dele!

Þ - Ih! Fui eu que fiz isso?
     (para um cara que jogou ketchup na companheira)
     - Não, foi meu peito que explodiu!

Þ - Vai fazer surf?
     (para um cara com uma prancha na cabeça)
     - Não! É que passam muitos pombos voando por aqui e não estou querendo sujar a cabeça.

Þ - Está dormindo, Tião?
     (para um cara dormindo no sofá)
     - Não! Sempre que fico acordado eu fecho os olhos.

Þ - Você está comendo?
    - Não! Estou enchendo meu corpo de recheio para meus ossos não fiquem rangendo muito quando eu andar!

Þ - Você está fazendo a barba?
     - Não! Estou tentando o suicídio me cortando em mil pedacinhos!

Þ - Pode me dizer qual filme está passando aqui?
     (para uma bilheteira de cinema)
     - Não! Preferimos manter em segredo para evitar filas quilométricas!

Þ - Está ocupado?
     (para um cara cheio de tarefas)
     - Não! O ataque de coração que estou tendo é por excesso de falta de trabalho!

Þ - Vai mergulhar?
     (para um cara todo equipado entrando no mar)
     - Não, vou pegar no meu serviço de garçom de um restaurante submarino.

Þ - Eles estão sendo presos?
     (um cara vendo vários ladrões algemados entrando numa viatura da polícia)
     - Não! A gente está dando uma carona até a casa deles!

Þ - Veio fazer uma reclamação, madame?
     (para um cara de um setor de reclamações)
   - Não! Atravessei metade da cidade só para dizer a vocês como é refrescante a água que fica respingando do lavador de pratos que comprei aqui!

Þ - Está querendo comprar um chapéu, madame?
     (numa chapelaria)
     - Não! Eu vim aqui para comprar uma privada.

Þ - Está cozinhado, meu bem?
     - Não! Estou fervendo minha roupa de baixo!

Þ - Você é tocador de contrabaixo?
     (para um cara com um contrabaixo)
     - Não! Isto é o violão do incrível Hulk!

Þ - Você está colando?
    - Não, é que eu estou muito cansado e estava encostando a cabeça no ombro do meu amigo para tirar uma pestana.

Þ - Vai graxa, moço?
     (para um cara sentado numa cadeira de engraxate)
     - Não! Sou o seu novo imperador. Beije-me os pés, idiota!

Þ - Nós estamos perdidos?
     - Não, nós sabemos exatamente onde estamos no meio desta selva impenetrável.

Þ Este rio é perigoso?
     - Não, todos estes crocodilos devoradores de gente são nossos amigos.

Þ - Estamos andando em círculos?
     - Não, é que na selva todos os cenários são parecidos!

Þ - Veio lavar roupas?
     (numa lavanderia automática)
     - Não, vim tomar banho. Estas são as mudas de roupa.

Þ - Alguém morreu?
     (no enterro de alguém no cemitério)
     - Não! É turma de formandos da universidade dos coveiros fazendo a prova final.

Þ - Isso é um skate?
     (para um cara andando de skate)
     - Não, é um patim para gigantes pernetas!

Þ - Essas compras são suas?
     (para uma senhora com um carrinho cheio de compras)
     - Não! Eu gosto de trazer as coisas até aqui, pagar e colocar nas prateleiras de novo.

Þ - Está bebendo água?
     (para uma moça tomando água num bebedouro)
     - Não! É que eu plantei uma horta no meu estômago e está na hora de regar os vegetais.

Þ - Eu te acordei?
     - Às três horas manhã? Claro que não! Só durmo durante o horário comercial.

Þ - Vai jogar boliche?
     (para um cara saindo de casa com uma bola de boliche)
    - Não, vou ao médico. e como um dos meus braços é mais curto que o outro, ele mandou ficar
andado com isso para esticá-lo.

Þ - Você está comendo macarrão?
     (para um cara comendo macarrão)
     - Não! Vou tricotar um suéter com esse novelo de massa!

Þ - Vai pintar a casa?
     (para um cara que está pintando sua casa)
    - Não! É que coleciono latas vazias e esta é a única maneira de eu me livrar do que tem dentro delas.

Þ - Ele roubou sua bolsa?
     (para uma mulher que acabou de ser assaltada por um pivete)
     - Não! Ela saiu pulando sozinha e foi parar na mão dele!

Þ - O senhor é o consertador?
     (numa loja de consertos de objetos)
     - Não. Sou o desconsertador!

Þ - Você me ama, Afonso?
     - Não. Eu venho aqui dia e noite só para poder ficar perto do seu cão!

Þ - Algum problema?
     (um guarda perguntando para uma senhora que acabou de bater seu carro num hidrante)
     - Não. Estou só lavando o meu carro com lágrimas!

Þ - É pra eu colocar a minhoca no anzol?
     (a esposa ao marido numa pescaria)
     - Não. É pra jogar a minhoca na água e quando algum peixe correr atrás dela você acerta ele com o caniço.

Þ - Quer uma mesa, senhor?
     (garçom ao cliente num restaurante)
     - Não, pra variar hoje eu gostaria de almoçar deitado no chão.

Þ - Pode repetir o que você falou?
     (um cara forte segurando um cara pequeno e baixo)
     - Não. Com você me segurando desse jeito, fiquei envergonhado.

Þ - Esteve fazendo compras?
     (uma mulher para cheia de embrulhos)
     - Não. Estive praticando Cooper! Carreguei tudo isso só para tornar a corrida mais divertida!

Þ - Aqui é o fim do texto?
     - Não! É o início, se você é desses que leem de trás pra frente.


(Da revista “Mad”, escrito e ilustrado por Al Jaffee, 
traduzido por Ota)




Nenhum comentário:

Postar um comentário